Regling vê melhorias do rating “num futuro próximo”. Portugal pode entrar num “círculo virtuoso”

  • ECO e Lusa
  • 7 Setembro 2018

O regresso dos investidores a Portugal é apontado como um dos indicadores de desenvolvimento positivo pelo diretor do Mecanismo Europeu, Klaus Regling.

O diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) saudou esta sexta-feira o regresso dos investidores a Portugal e considerou provável que as agências de notação financeira melhorem ainda mais o rating do país “num futuro próximo”, levando a um “círculo virtuoso”.

Na conferência de imprensa no final da reunião informal de rentrée do Eurogrupo, em Viena, na qual a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) deram conta das conclusões da sua oitava missão de vigilância pós-programa a Portugal, que consideraram “globalmente positiva”, Klaus Regling interveio para sublinhar que, “do lado dos mercados”, as notícias também são “bastante positivas”, e vaticinou que Portugal poderá mesmo beneficiar de um “círculo virtuoso”.

“Os investidores regressaram a Portugal. Este é um desenvolvimento positivo. E há mesmo a possibilidade de os ratings [avaliações] melhorarem ainda mais num futuro próximo, e pode então ter início um círculo virtuoso, em que os juros da dívida baixem ainda mais e os spreads encolham ainda mais. E isso é tudo positivo”, declarou o diretor do fundo de resgate permanente da zona euro.

Os investidores regressaram a Portugal. Este é um desenvolvimento positivo. E há mesmo a possibilidade de os ratings [avaliações] melhorarem ainda mais num futuro próximo, e pode então ter início um círculo virtuoso, em que os juros da dívida baixem ainda mais e os spreads encolham ainda mais. E isso é tudo positivo.

Klaus Regling

Presidente do MEE

Em abril passado, a agência de notação financeira Moody’s adiantou que o rating atribuído a Portugal será melhorado se concluir que os progressos alcançados a nível orçamental e económico são sustentáveis, e se a redução da dívida for constante.

A Moody’s tinha agendado uma revisão do rating atribuído a Portugal, mas optou por não se pronunciar, mantendo a avaliação da dívida portuguesa em ‘Ba1’, uma notação que é considerada ‘lixo’, devendo esta agência de notação voltar a pronunciar-se sobre Portugal em meados de outubro.

A agência norte-americana continua a ser a única entre as quatro maiores a atribuir à dívida pública portuguesa uma nota especulativa, depois de Standard & Poor’s (S&P), Fitch e DBRS já terem colocado Portugal no patamar de investimento.

Moscovici destaca “melhoria espetacular” do desemprego em Portugal

Já o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, destacou a “melhoria espetacular” da situação do desemprego em Portugal, que recuou para níveis abaixo da média da zona euro.

Na conferência de imprensa no final da reunião informal dos ministros das Finanças da zona euro, Moscovici comentou que “as coisas vão no caminho certo, ainda que sejam necessárias algumas reformas, mas que estão programadas”, e sublinhou “as boas notícias na frente do emprego”.

“Houve uma melhoria espetacular a nível do desemprego, que caiu para baixo da média” europeia, em julho, para os 6,8%, realçou.

Além de reiterar a necessidade de Portugal prosseguir as reformas estruturais, o comissário europeu dos Assuntos Económicos considerou que o Governo também deve focar-se em “melhorar os níveis de qualificações” dos portugueses “e tornar o mercado de trabalho mais inclusivo”.

De acordo com os dados mais recentes sobre o desemprego, divulgados em 31 de agosto pelo Eurostat, a taxa de desemprego homóloga recuou em julho para os 8,2% na zona euro e para os 6,8% na União Europeia, tendo Portugal registado a terceira maior diminuição face a julho de 2017, ao recuar dos 8,9% para os 6,8%.

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE, na comparação homóloga (com o mesmo mês do ano anterior), a taxa de desemprego caiu em todos os Estados-membros, tendo os maiores recuos tido lugar em Chipre (de 10,7% para 7,7%), Grécia (de 21,7% para 19,5%, dados de maio) e em Portugal, onde desceu de 8,9% para 6,8%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regling vê melhorias do rating “num futuro próximo”. Portugal pode entrar num “círculo virtuoso”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião