Economia social ainda só aplicou 91 mil euros no Montepio

  • ECO
  • 12 Setembro 2018

As Misericórdias deveriam aplicar cerca de 48 milhões de euros no Montepio até dezembro, mas o valor até agora ainda é muito limitado. A maior parte do investido veio da Santa Casa de Lisboa.

As instituições de economia social como as Misericórdias aplicaram até agora apenas 91 mil euros na Caixa Económica Montepio Geral, quando até dezembro seriam esperados 48 milhões de euros, avança esta quarta-feira o jornal Público. De acordo com o jornal, a maior parte do dinheiro saiu do bolso da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa — 75 mil euros. Do restante, parte foi facultado pela União das Misericórdias e outra parte por 11 instituições particulares de solidariedade social.

O Público refere que tanto o montante disponibilizado até agora para aplicação no Montepio como o número de instituições que aderiram até agora estão muito abaixo do esperado por Tomás Correia, o dirigente da Associação Mutualista. No total, apenas 0,2% da meta planeada até dezembro foi concretizada.

Este mês de setembro, o presidente da Caixa Económica Montepio Geral, Carlos Tavares, deverá divulgar o plano de transformação do Montepio, que deveria focar-se nos particulares e nas pequenas e médias empresas.

Foi em junho que o Governo, que tutela o setor social, aprovou a entrada inicial da Santa Casa de Lisboa no Montepio, após críticas generalizadas ao investimento de uma instituição de cariz social numa área de grande risco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia social ainda só aplicou 91 mil euros no Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião