Wall Street recupera com impulso das tecnológicas

As bolsas norte-americanas inverteram a tendência negativa da abertura, encerrando em terreno positivo. Destaque para as tecnológicas, nomeadamente a Apple, que subiu mais de 2%.

Os índices norte-americanos encerram em alta, recuperando da tendência negativa observada na abertura. Os receios da guerra comercial entre as duas principais economias do mundo parece ter passado um pouco ao lado dos olhos dos investidores, levando os três principais índices a fecharem no verde, impulsionados, principalmente, pelas valorizações das cotadas tecnológicas.

O índice de referência S&P 500 fechou a subir 0,38% para 2.888,06 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq valorizou 0,62% para 7.973,36 pontos. Também o industrial Dow Jones recuperou da da queda da sessão anterior, fechando a crescer 0,45% para 25.972,17 pontos.

Numa sessão que arrancou no vermelho, com os investidores preocupados com as tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos, a tendência inverteu-se. Isto no dia em que a China mostrou intenções de solicitar, na próxima sexta-feira, autorização à Organização Mundial do Comércio (OMC) para impor sanções aos Estados Unidos, na sequência das últimas tarifas anunciadas por Donald Trump.

As cotadas tecnológicas foram as principais impulsionadoras deste desempenho, principalmente a Apple, que recuperou da queda de mais de 1% da sessão anterior, fechando a subir 2,47% para 223,72 dólares. Isto acontece um dia antes de a empresa fundada por Steve Jobs anunciar os novos modelos do iPhone. Também a Microsoft e o Facebook fecharam no verde, valorizando 1,78% e 1,1%, respetivamente.

As ações das tecnológicas estão a recuperar devido a alguns acontecimentos positivos, como o evento da Apple à porta“, diz Cliff Hodge, diretor de investimentos da Cornerstone Wealth, em Charlotte North Carolina, citado pela Reuters (conteúdo em inglês). “Os setores que têm sido líderes naturais, como a tecnologia, juntamente com a subida das energéticas, ajudarão a impulsionar os mercados.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street recupera com impulso das tecnológicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião