Governo de May por um fio. Conservadores querem que a primeira-ministra deixe o seu cargo

Os conservadores não estão contentes com os planos de Theresa May para o Brexit. Daí que 50 destes deputados se tenham reunido para discutir como forçar a saída da primeira-ministra.

O Executivo de Theresa May pode ter os dias contados. Pelo menos, é isso que querem os deputados do European Research Group (divisão eurocética do Partido Conservador). Segundo avança a BBC News, cerca de 50 destes parlamentares britânicos reuniram-se, esta terça-feira, para discutir como forçar a primeira-ministra a deixar o seu cargo.

Os planos de Theresa May para a saída do Reino Unido da União Europeia caíram mal junto destes conservadores. Os deputados do ERG opõem-se particularmente a duas das metas da governante: a de assinar um acordo comercial com o bloco europeu e a de manter o fluxo livre de comércio (isto é, sem tarifas aduaneiras) na ilha da Irlanda (de modo a evitar problemas na fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte, após o Brexit).

Por isso, na reunião desta terça-feira, cerca de cinco dezenas de deputados discutiram abertamente o futuro de May como líder do Governo. De acordo com as fontes citadas pela BBC News, este encontro acabou mesmo por ficar marcado pelas expressões “ela é um desastre”, “isto não pode continuar” e “toda a gente que conheço diz que ela tem de sair”.

Segundo as regras do Partido Conservador, a liderança de um Governo pode ir a votos se a primeira-ministra se demitir ou se 15% dos deputados Tory puserem em curso uma moção de censura.

Atualmente, 315 conservadores têm assento no Parlamento britânico, isto é, para que uma moção deste tipo avançasse, pelo menos, 48 destes deputados teriam de a defender. De acordo com a BBC News, vários deputados já enviaram cartas neste sentido a Westminster, não se conhecendo, no entanto, o número exato de pessoas implicadas.

Apesar deste claro descontentamento, é sabido que os parlamentares conservadores não estão a planear exigir a deposição da conservadora no imediato. Ainda que alguns desejem que a governante saia já, os mais experientes reconhecem que tal não seria prudente, no quadro das negociações do Brexit. “Seria estúpido [pedir a deposição de May neste momento]”, referiu um dos membros seniores do ERG, citados pelo mesmo órgão de comunicação.

O Reino Unido sai oficialmente da União Europeia a 29 de março do próximo ano. O divórcio foi decidido num referendo, em junho de 2016, no qual a saída do bloco europeu conquistou 51,8% dos votos dos cidadãos britânicos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo de May por um fio. Conservadores querem que a primeira-ministra deixe o seu cargo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião