5 coisas que vão marcar o dia

A semana fecha com o encontro entre a administração da CGD e o maior sindicato do banco público para discutirem o acordo de empresa. INE divulga os dados do desemprego e inflação.

A semana fecha em clima de alguma tensão para os lados da Caixa Geral de Depósitos, onde terá lugar a primeira reunião entre a administração do banco público e o maior sindicato. Em causa está a discussão em torno do acordo de empresa, que a administração denunciou em julho último. Na Rynair, as greves continuam na ordem do dia. Entretanto, Centeno e Vieira da Silva vão à concertação social falar sobre as grandes orientações políticas em matéria orçamental. Isto num dia em que se ficam a conhecer os dados do desemprego e da inflação para o mês de agosto.

CGD e Sindicato discutem acordo de empresa

A administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o STEC reúnem esta sexta-feira para discutir o acordo de empresa. É a primeira reunião desde que a administração do banco público fez a denúncia do acordo no final de julho, pretendendo acabar com as diuturnidades e promoções automáticas. O STEC apresentou uma contraproposta.

Ryanair. As greves continuam

A vida não está fácil na Ryanair. Hoje é dia de mais uma greve dos tripulantes de cabine a operarem em cinco países, entre os quais Portugal. A greve foi convocada por vários sindicatos representativos de tripulantes de cabina da Bélgica, Itália, Espanha e Portugal. Em causa está a aplicação das leis laborais nacionais e não a irlandesa, país de origem da companhia aérea.

Centeno e Vieira da Silva na comissão permanente de Concertação Social

Com a apresentação do Orçamento de Estado para 2019 cada vez mais perto, multiplicam-se as discussões à volta das grandes orientações políticas sobre matéria orçamental. Nesse sentido, os ministros das Finanças e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social estarão esta tarde presentes na comissão permanente de concertação social exatamente para discutir o tema.

Inflação desacelera?

Depois de em agosto se ter registado uma ligeira desaceleração do crescimento dos preços na zona euro, há alguma expectativa quanto aos dados do Eurostat que serão conhecidos esta sexta-feira. Por cá, o Instituto Nacional de Estatística divulga os dados referentes a Portugal. Em agosto a taxa fixou-se em 1,3%.

Desemprego mantém trajetória de redução?

Depois de em julho a taxa de desemprego ter estabilizado nos 6,8%, um valor igual ao do mês de junho, a taxa mais baixa desde setembro de 2002, é agora a vez do Instituto Nacional de Estatística divulgar os dados referentes a agosto. A expectativa é a de saber se a trajetória de redução seguida nos últimos meses se mantém, ou se os dados começam a dar sinais de algum estagnação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião