Menos 10% carros vendidos em setembro após disparo em agosto

  • Marta Santos Silva
  • 1 Outubro 2018

Os consumidores anteciparam as compras para agosto para procurar evitar o agravamento de preços que provocaria a entrada em vigor em setembro (afinal adiada) de novos métodos de medição de emissões.

As vendas de automóveis em Portugal caíram 10,1% em setembro, uma correção que acontece devido ao disparo registado em agosto no qual os compradores se procuraram antecipar à entrada em vigor das novas regras para medição das emissões de CO2. A mudança, agendada para setembro, acabou por ser entretanto adiada.

Em setembro de 2018, foram 16.534 veículos os matriculados, menos 10,1% do que no ano anterior. A queda foi mais marcada no caso dos automóveis ligeiros de passageiros, que caíram 14% relação ao ano anterior, regista a Associação Automóvel de Portugal (ACAP) num comunicado enviado às redações.

O saldo continua a ser positivo para a totalidade do ano: entre janeiro e setembro de 2018, foram vendidos mais de 214 mil automóveis, o que representa um aumento de 6% em relação ao mesmo período em 2017.

No caso dos veículos pesados, por exemplo, a tendência foi a contrária da registada para os automóveis ligeiros de passageiros: as vendas aumentaram 17,4% em relação a setembro de 2017. Foram vendidos 615 veículos deste tipo, somando mais de quatro mil nos primeiros nove meses do ano.

Em agosto, as vendas de veículos ligeiros de passageiros tinham disparado 28%. Os consumidores procuraram antecipar as suas compras para evitar o agravamento de preços que poderia ser provocado pelas mudanças no sistema de medição das emissões poluentes, embora este, afinal não tenha sido implementado já em setembro. O Ministério das Finanças avisou no princípio de agosto que a entrada em vigor passaria para o princípio de 2019. As tabelas do Imposto Único Automóvel (IUC) e do Imposto sobre Veículos (ISV) vão ser atualizadas através do Orçamento do Estado para 2019, no âmbito do novo sistema de medições poluentes dos automóveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Menos 10% carros vendidos em setembro após disparo em agosto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião