Paragem extra na Autoeuropa afunda produção automóvel em Portugal

A fábrica automóvel esteve parada durante três semanas, uma semana a mais do que costuma acontecer no mês de agosto.

A Autoeuropa tem puxado pela produção automóvel, à boleia do T-Roc. Mas, em agosto, perante a habitual paragem na fábrica de Palmela, mais especialmente devido à semana extra de interrupção de laboração por causa da adaptação ao novo sistema de contabilização das emissões de gases poluentes, ditou uma quebra. Apesar de continuar muito acima do ano passado no acumulado do ano, no mês passado a produção encolheu em mais de 10%.

“Em agosto foram produzidos em Portugal 7.694 veículos automóveis ligeiros e pesados, tendo-se verificado uma queda de 10,6%. Observou-se uma quebra em todos os mercados”, refere a Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

A paragem extra na fabricante de automóveis foi feita com o objetivo de permitir à unidade de Palmela adaptar-se à nova regulamentação — a norma Worldwide harmonized Light vehicles Test Procedure (WLTP) — sobre a medição do consumo e emissões poluentes.

No final do passado mês de junho, empresa do grupo Volkswagen já tinha afirmado que, mesmo com esta interrupção, a meta de produção de 240 mil carros este ano não seria afetada, graças à criação de novos turnos e ao trabalho ao domingo.

Apesar da quebra no mês, no acumulado do ano o saldo continua positivo. Segundo dados da ACAP, de janeiro de 2018 a agosto do mesmo ano, foram produzidos em Portugal 189.544 carros, o que representa um crescimento de 85,3%.

A informação estatística relativa aos oito primeiros meses de 2018 confirma a “importância que as exportações representam para o setor automóvel, já que 96,4% dos veículos fabricados em Portugal têm como destino o mercado externo, o que, sublinhe-se, contribui de forma significativa para a balança comercial portuguesa”.

“A Europa continua a ser o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em território nacional – com 90,2% – com a Alemanha (21,0%), França (14,6%), Itália (11,7%) e Espanha (10,9%) no topo do ranking. Em termos de grandes regiões, o mercado asiático, liderado pela China (3,5%), mantém o segundo lugar nas exportações de automóveis fabricados em Portugal”, remata.

(Notícia atualizada às 15h47)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paragem extra na Autoeuropa afunda produção automóvel em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião