A tarde num minuto

Não teve tempo de ler as notícias esta tarde? Fizemos um best of das mais relevantes para que fique a par de tudo o que se passou, num minuto.

Maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo fica em Lisboa. Governo e organização assinam acordo esta quarta-feira para mais cinco anos, com outros cinco de opção. A CGD continua a desfazer-se do fardo do malparado. Está prestes a fechar a venda de uma carteira de empréstimos em incumprimento de empresas no valor de 850 milhões. Mas valor ainda pode mudar.

Pelo menos mais cinco anos. O Web Summit chegou de armas e bagagens a Portugal para instalar-se em Lisboa em 2016 e, este ano, Paddy Cosgrave e a equipa preparam-se para anunciar, juntamente com o Governo, um acordo que pode ser estendido por outros cinco anos, até 2028, diz a Antena 1. O ECO já confirmou a informação que adiantou em julho: na altura, o ECO escreveu que, em cima da mesa das negociações estariam cinco anos mais outros cinco opcionais.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) está a finalizar a venda de uma carteira de créditos em incumprimento do segmento empresarial no valor de 850 milhões de euros, num esforço para limpar os ativos problemáticos do balanço para, assim, melhorar a rentabilidade do banco. Mas também para voltar a beneficiar de um rating de qualidade.

“No que depender da defesa, o que se passa nas paredes da justiça passa-se nas paredes da justiça”. Foram estas as declarações de Francisco Proença de Carvalho, advogado de Ricardo Salgado, à saída do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), num interrogatório que não chegou a demorar uma hora.

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta segunda-feira que Portugal deve manter o atual regime bi-horário e ter uma hora de verão e uma hora de inverno, considerando que “o bom critério e único é o critério da ciência”.

Um estudo do Observatório do Automóvel Clube de Portugal (ACP) revelou que há quatro carros para cada lugar de estacionamento em Lisboa, pelo que propõe nove parques dissuasores com ligações aos transportes públicos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A tarde num minuto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião