Casa Branca faz Trump cair 11 lugares no ranking dos mais ricos dos EUA. Fortuna vale 3,1 mil milhões

  • Lusa
  • 3 Outubro 2018

Presidente norte-americano ocupa o 259.º lugar na lista dos mais ricos dos Estados Unidos mas desceu 11 lugares face a 2017. Ida para a Casa Branca prejudicou fortuna do magnata.

A fortuna do magnata do imobiliário e atual Presidente norte-americano, Donald Trump, manteve-se quase inalterada entre 2017 e 2018, em 3,1 mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros), segundo a lista hoje publicada na revista Forbes.

O chefe de Estado detém agora a 259.ª fortuna dos Estados Unidos e desceu 11 lugares em relação a 2017 (em que ocupava a 248.ª posição), levando a Forbes a concluir que a sua ida para a Casa Branca está a prejudicar o seu património. Apesar de o valor dos seus ativos ser equivalente ao do ano passado, registou uma queda de um terço em relação a 2015 (4,5 mil milhões de dólares).

De acordo com a Forbes, esta contração é o resultado das despesas da campanha de Donald Trump pagas com fundos pessoais e da desaceleração do mercado imobiliário em Nova Iorque, em particular no segmento de topo.

O antigo empresário construiu grande parte da fortuna graças à promoção imobiliária, iniciando a construção em Manhattan de muitas torres, todas ostentando o seu nome, embora seja proprietário de apenas algumas delas.

Quanto ao efeito da Presidência sobre o seu património, a revista norte-americana tende a mostrar que este é sobretudo negativo: o tom da sua campanha e as suas posições radicais em algumas matérias, como a imigração, afastaram parceiros comerciais e potenciais compradores de bens imobiliários nos quais Trump tinha participação.

Em contrapartida, alguns dos bens que o magnata detém a título individual, como o seu apartamento na Trump Tower, o avião pessoal e a propriedade de Mar-a-Lago, na Florida, valorizaram, porque estão agora associados ao prestígio da Presidência dos Estados Unidos, refere a Forbes.

Antes de tomar posse, Donald Trump colocou os seus interesses económicos num fundo cuja gestão confiou a dois dos filhos, Eric e Donald Junior, bem como a um dos seus homens de confiança, Allen Weisselberg.

E recusou desfazer-se das participações que tem em muitas empresas, abrangidas pelo grupo Trump Organization, embora muitas pessoas lho tenham aconselhado, entre as quais o diretor do Gabinete para a Ética Governamental, Walter Shaub.

A Forbes calculou que se Trump tivesse optado por ceder as suas participações e mandatar o seu fundo para investir em ações sem envolvimento seu, para evitar conflitos de interesse, a sua fortuna teria agora aumentado 500 milhões de dólares.

Em resposta a um artigo do diário The New York Times, segundo o qual Trump recebeu dos pais uma herança de mais de 400 milhões de dólares, em parte graças a evasão fiscal, o Presidente norte-americano chamou ao jornal “O Fracassado New York Times”, que “nunca recuperou do seu prognóstico errado sobre as eleições [presidenciais de 2016]”, retomando um argumento frequentemente utilizado.

“Eles usaram o conceito de ‘tempo é dinheiro’ e fizeram um artigo para me atacar com informação muito velha, chata e já publicada sobre mim”, escreveu hoje na rede social Twitter, um dia após a publicação da investigação que danifica a imagem do magnata do imobiliário que partiu do nada ou quase.

“No total, isso significa que 97% das histórias deles sobre mim são negativas”, acrescentou Trump, que sempre se recusou a divulgar as suas declarações de impostos durante a campanha presidencial, quebrando uma tradição solidamente instalada há décadas.

Citando declarações de impostos e documentos financeiros confidenciais, o diário nova-iorquino afirma que, desde muito jovem, o magnata do imobiliário beneficiou, como os seus quatro irmãos e irmãs, de receitas provenientes do império imobiliário do pai, Fred.

O montante total de tais rendimentos equivaleria atualmente a cerca de 413 milhões de dólares, segundo o New York Times, que sustenta que uma parte desse dinheiro foi obtido graças a evasão fiscal: o Presidente e os irmãos e irmãs criaram uma empresa fantasma com o único objetivo de dissimular o dinheiro dado pelos pais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casa Branca faz Trump cair 11 lugares no ranking dos mais ricos dos EUA. Fortuna vale 3,1 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião