PSI20 segue em baixa, com o BCP a pressionar as negociações

  • Lusa
  • 5 Outubro 2018

A bolsa de Lisboa segue hoje em baixa, alinhada com a tendência das principais congéneres europeias, com as ações do BCP a pressionarem as negociações.

Pelas 09:00 (hora de Lisboa), o índice português de referência, o PSI20, seguia a recuar 0,23% para 5.242,01 pontos, com 11 ações negativas, duas inalteradas (Ibersol e Ramada Investimentos) e cinco positivas.

A Mota-Engil e o BCP eram as ações que mais perdiam, recuando 1,30% e 1,21% para 1,968 euros e 0,237 euros.

As ações da Galp e da Jerónimo Martins seguiam também em terreno negativo, desvalorizando 0,50% e 0,38% para 16,865 e 11,705 euros.

A liderar os ganhos seguia a Pharol, com as ações a avançarem 8,33% para 0,169 euros, seguida da Altri, que subia 4,41% para 8,99 euros.

A EDP seguia também em terreno positivo, com as ações a avançarem 0,13% para 3,189 euros.

Lisboa seguia alinhada com as principais bolsas europeias, que estavam hoje em baixa, penalizadas pela subida dos juros das obrigações norte-americanas, no dia em que serão divulgados dados do desemprego na maior economia do mundo.

Os juros das obrigações dos Estados Unidos subiram para máximos, de 3,2%, depois da publicação de indicadores macroeconómicos dos Estados Unidos.

O Departamento do Trabalho dos EUA vai divulgar hoje a taxa de desemprego de setembro, com as previsões dos economistas consultados pela agência financeira Bloomberg a apontarem para uma queda dos 3,9% anteriores para 3,8%, a taxa mais baixa desde 1969.

Entretanto, os investidores vão continuar atentos a Itália, depois de o Governo italiano ter reduzido a previsão do défice para o próximo triénio, inicialmente situado em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), tal como exigiam os parceiros da coligação no Governo, a Liga e especialmente o Movimento Cinco Estrelas, para 2,1% em 2020 e 1,8% em 2021.

O Governo italiano tomou esta decisão depois de ter anunciado, na semana passada, um quadro macroeconómico que estabelecia o objetivo do défice em 2,4% do PIB para os três próximos anos, que despertou a crítica da Europa e um aumento da pressão sobre os juros da dívida nos mercados nos últimos dias.

Os preços do petróleo, que nos últimos dias subiram para níveis acima da barreira dos 85 dólares por barril, estavam hoje a subir, na abertura, até aos 85,02 dólares.

O euro, por seu turno, seguia em baixa a valer 1,1499 dólares.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSI20 segue em baixa, com o BCP a pressionar as negociações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião