Centeno apresenta linhas gerais do Orçamento aos partidos

Negociações à esquerda continuaram no fim-de-semana e agenda do ministro das Finanças implica estar fora de Portugal quarta e quinta-feira.

O ministro das Finanças vai apresentar esta terça-feira aos partidos as linhas gerais do Orçamento do Estado (OE) para 2019, disse ao ECO fonte do Executivo. Estas reuniões acontecem todos os anos, dias antes da entrega do documento na Assembleia da República pelo Governo.

O Governo trabalha com o cenário de entregar o documento no Parlamento a 15 de outubro. Mas a agenda desta semana do ministro das Finanças obriga a acelerar os encontros com os partidos, que acontecem ao abrigo do estatuto da oposição. Na quarta e na quinta-feira, Mário Centeno estará em Bali, na Indonésia, no encontro anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

Assim, as reuniões foram agendadas para terça-feira. Às 9h45 é a vez do encontro com o PAN, às 10h30 do PSD, às 11h15 do PEV, às 12h do BE e às 12h45 do PCP. Para as 14h está marcada a reunião com o CDS.

Estes encontros acontecem uma semana depois de negociações entre os partidos que formam a geringonça e que apoiam o Governo no Parlamento. As conversações entre Governo, BE, PCP e Verdes prolongaram-se para o fim de semana, sabe o ECO.

Neste momento ainda não é claro qual o dia em que o documento será aprovado pelo Conselho de Ministros. O dia habitual para as reuniões da equipa governamental é a quinta-feira, mas Centeno não estará em Lisboa, o que pode obrigar a uma reunião posterior. Esta é uma possibilidade que, para já, não está excluída.

Cristas com poucas expectativas para reunião

O CDS tem poucas expectativas quanto à reunião de terça-feira com o ministro das Finanças para apresentar as linhas gerais do Orçamento do Estado de 2019, mas promete dar a “melhor atenção” a Mário Centeno.

No final de uma visita ao Teatro de São Carlos, em Lisboa, a líder centrista, Assunção Cristas, admitiu que “normalmente, estas reuniões” avançam “pouco em relação aquilo que já se sabe”

“Iremos ouvir com a melhor das atenções aquilo que o senhor ministro das Finanças terá para dizer”, afirmou Cristas, dizendo que ela própria não estará presente, dado que participará, em Leiria, num encontro com empresários, para preparar o debate e a apresentação de medidas para o OE2019.

Além do mais, o CDS parte para este encontro “com a convicção, formada pelas notícias já vindas a publico e com o histórico deste Governo, de que a visão do CDS é bastante diferente” da do executivo de minoria socialista.

Aos jornalistas, Assunção Cristas insistiu na ideia de, “havendo folga orçamental”, se optar por uma descida progressiva do IRS para todos os portugueses, em vez de aumentos na função pública e na eliminação da sobretaxa do imposto sobre combustíveis. “Não somos fáceis a desistir de ideias e, quando elas são boas, não desistimos”, afirmou.

(Notícia atualizada às 16h50)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno apresenta linhas gerais do Orçamento aos partidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião