Centro de Negócios do Fundão e Museu da Vista Alegre ganham Pémios RegioStar 2018

  • ECO
  • 9 Outubro 2018

Centro de Negócios e Serviços Partilhados do Fundão recebeu apoio de dois milhões de euros e requalificação e ampliação do Museu da Vista Alegre foram dois dos vencedores dos Prémios RegioStar 2018.

O Centro de Negócios e Serviços Partilhados do Fundão (na categoria “Apoiar a transição industrial inteligente”) e o projeto de Reabilitação do lugar da Vista Alegre (na categoria “Escolha do Público”) venceram esta terça-feira os Prémios RegioStars 2018 da Comissão Europeia.

O Centro de Negócios e Serviços Partilhados foi financiado pelos fundos europeus, através Programa Centro 2020, em dois milhões de euros. “Concebido como motor da estratégia local de inovação e investimento, este projeto permitiu atrair 14 empresas TICE e criar 500 postos de trabalho altamente qualificados numa cidade de cariz rural com menos de 15.000 habitantes”, sublinha o comunicado enviado às redações do Centro 2020. “Em quatro anos, o projeto impulsionou um ecossistema integrado que gerou 68 startups e deu suporte a mais de 200 projetos de investimento privado, apostando no R&D, em iniciativas pioneiras de conversão profissional e nas competências digitais”, acrescenta o mesmo documento.

Já o projeto de requalificação e ampliação do Museu da Vista Alegre deu o pontapé de saída da requalificação do chamado “Lugar da Vista Alegre”. Com um investimento total de 44 milhões de euros, apoiado por fundos europeus, através do Centro 2020 e do Compete 2020, foi possível manter 1.495 postos de trabalho e criar pelo menos 100 novos postos diretos. O projeto “fez rejuvenescer o Lugar da Vista Alegre, dando nova vida ao Museu, Capela, Teatro, Recinto, Hotel e Palácio, Creche, Fábrica e Bairro Operário”.

Paulo Fernandes, presidente da Câmara Municipal do Fundão, Ana Abrunhosa, presidente da CCDR Centro e Paulo Soares, administrador da Vista Alegre.CCDR Centro 9 Outubro, 2018

 

Os Prémios RegioStars identificam boas práticas em desenvolvimento regional e destacam projetos originais e inovadores que sejam atrativos e inspiradores para outras regiões.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centro de Negócios do Fundão e Museu da Vista Alegre ganham Pémios RegioStar 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião