S&P sobe rating do BCP em um nível. Continua em “lixo”, mas passou para “BB”

A agência de notação financeira reviu em alta a notação atribuída ao banco liderado por Miguel Maya. Elevou o rating de BB- para BB, mantendo com uma classificação de "lixo".

A Standard & Poor’s (S&P) reviu em alta a notação atribuída ao banco liderado por Miguel Maya. Elevou o rating do BCP para “BB”, uma melhoria da classificação em um nível que, contudo, continua a ser de “lixo”. O rating dos restantes bancos do sistema foi reiterado, com Totta e BPI a apresentarem as melhores notas.

A agência norte-americana explica a revisão em alta da classificação com a melhoria da perspetiva que tem sobre as instituições financeiras nacionais. “Os bancos portugueses estão a fazer progressos, apresentando resultados positivos após seis anos de prejuízos. Esperamos que esta tendência continue”, diz a S&P.

Além da recuperação dos resultados, a contribuir para a subida do rating do BCP estão os desenvolvimentos em torno do Novo Banco. “À medida que regressa a mãos privadas, o Novo Banco vai acelerar a sua reestruturação e, gradualmente, voltar ao normal”, diz a agência, acrescentando que tal irá “melhorar o cenário de concorrência” no mercado nacional.

"Os bancos portugueses estão a fazer progressos, apresentando resultados positivos após seis anos de prejuízos. Esperamos que esta tendência continue.”

Standard & Poor's

Perante estas melhorias, a notação do BCP subiu para “BB”, passando a perspetiva de “positiva” para “estável”, o que indica que a S&P não irá rever em breve o rating do banco. Ou seja, ainda vai demorar até que o BCP passe a ter uma classificação de qualidade de investimento.

Ao mesmo tempo que melhorou a notação do banco liderado por Miguel Maya, reiterou as classificações de outros bancos, nomeadamente do Totta e do BPI, de “BBB-“, para ambos. “Também reiteramos a nossa classificação de ‘BB-‘ para o Haitong Bank, com o outlook ‘estável'”, remata.

(Notícia atualizada às 17h09 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

S&P sobe rating do BCP em um nível. Continua em “lixo”, mas passou para “BB”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião