Pedro Nuno Santos: “Não é por ser o último OE que passaria a ser mau”

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares explica que a intenção do Governo é "refletir na vida dos portugueses a melhoria da atividade económica". OE é também para as empresas, garante.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares defende, esta terça-feira, que todos os Orçamentos do Estado que o Governo aprovou até agora foram “bons” e que “não é por este ser o último que passaria a ser mau“. Coube assim a Pedro Nuno Santos responder ao comentador político Luís Marques Mendes, que classificou o OE 2019 de eleitoralista.

Um dia antes António Costa tinha recusado responder ao ex-líder do PSD. Hoje, no final das reuniões entre o Governo e os partidos, Pedro Nuno Santos assumiu essa tarefa. “Não é por ser o último Orçamento que que passaria a ser mau”, declarou aos jornalistas à saída das reuniões, acrescentando que “os outros OE também foram bons”.

Respondida a acusação de eleitoralismo, Pedro Nuno Santos explicou qual a estratégia do Governo. “As melhorias da economia são utilizadas na vida das pessoas.” Ou seja, quanto melhor é o crescimento, mais fácil é entender a existência de medidas dirigidas às pessoas.

A declaração surge no dia em que o Governo esteve a apresentar as linhas gerais do OE aos partidos. Uma das novidades do dia foi a taxa de crescimento do PIB que o Governo prevê para 2019. O Executivo está a apontar para 2,2%, o que representa uma ligeira travagem face aos 2,3% previstos para este ano. Uma projeção mais otimista que a que tem sido assumida pelas instituições nacionais e internacionais. Ainda esta terça-feira, o Fundo Monetário Internacional (FMI) insistiu na previsão de uma subida do PIB de 1,8%, isto é, menos cinco décimas do que a do Governo.

Mas Pedro Nuno Santos trazia outra mensagem. O Governo não está a pensar apenas nas pessoas e não só já aplicou medidas que ajudam as empresas como o pretende continuar a fazer. Exemplo: o Orçamento do Estado para 2019 vai ter a eliminação do Pagamento Especial por Conta – um adiantamento financeiro que as empresas fazem ao Fisco por conta de impostos futuros. Esta é uma “vitória das PME”.

O governante lembrou ainda um conjunto de medidas já adotadas, entre elas os 2.300 milhões de euros atribuídos no âmbito do Programa Capitalizar e acusou o PSD de “reduzir o seu programa à redução do IRC”.

Pedro Nuno Santos destacou ainda a importância de apostar em recursos humanos mais qualificados, em ter um bom Serviço Nacional de Saúde e em promover o investimento público – objetivos que também acabam por ser bons para as empresas.

Elogiando os resultados orçamentais que o Governo tem obtido, confirmou que a meta do défice para 2019 é de 0,2% do PIB – “está encerrado” – e lembrou que este Executivo vai deixar o país com uma dívida pública mais baixa do que aquela que encontrou. “Contas públicas saudáveis dão a garantia de que são sustentáveis”, defendeu, acrescentando que “ainda está para vir um Governo do PSD/CDS que consiga melhores resultados orçamentais”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Nuno Santos: “Não é por ser o último OE que passaria a ser mau”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião