Orçamento prevê crescimento de 2,2% em 2019

O cenário macro económico do Orçamento do Estado para 2019 aponta para uma revisão em baixa de 0,1 pontos percentuais do PIB para o próximo ano face à estimativa anterior.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, está a elaborar o Orçamento do Estado com uma previsão de crescimento de 2,2% e de taxa de desemprego de 6%, avançou André Silva, do PAN, no final da reunião desta terça-feira, no Parlamento, com o ministro das Finanças Mário Centeno, para a apresentação das linhas gerais do Orçamento do Estado para 2019. Já o défice será de 0,2%.

Os 2,2% de estimativa de crescimento para 2019 representam uma revisão em baixa de 0,1 pontos percentuais face ao que era inicialmente estimado pelo Executivo (2,3%), mas, ainda assim, é um cenário bastante mais otimista do que o avançado pelo Fundo Monetário Internacional esta terça-feira no Word Economic Outlook (1,8%) ou pelo Banco de Portugal (1,9%).

Por outro lado, de acordo com o responsável do PAN — o primeiro partido a ser recebido pelo ministro das Finanças esta manhã –, ouvido pelos jornalistas no final da reunião e cujas declarações foram transmitidas pelas televisões, o cenário macro económico prevê uma redução da taxa de desemprego para 6% no próximo ano — uma revisão em baixa face aos 7,2% previstos para 2019 — e uma redução da dívida pública para 117% do PIB, também aqui uma revisão em baixa de um ponto percentual face à estimativa inscrita no Programa de Estabilidade (118,4%)

Quanto ao défice, André Silva avançou que o valor que está em cima da mesa é de zero a 0,2%, de acordo com a referência feita por Mário Centeno durante a reunião. O responsável do PAN lembra que “a proposta do Orçamento não está fechada” e que, por isso, continua a pedir que “sejam inseridas medidas no âmbito da mobilidade elétrica e da inserção de pessoas no serviço de saúde e no ensino superior com a criação de gabinetes de apoio aos estudantes com necessidades especiais”.

No entanto, cerca de duas horas depois, o Ministério das Finanças confirmou ao Dinheiro Vivo que a meta do défice para 2019 se mantém em 0,2% do PIB e os próprios Verdes, nas declarações aos jornalistas no final do seu encontro, retificou também que o valor do défice referido por Mário Centeno foi de 0,2%. O PAN, contactado pelo Observador, admitiu que André Silva se possa ter enganado quanto ao valor do défice.

André Silva elogiou o facto de o Orçamento do Estado para 2019, “pela primeira vez”, incluir uma medida do PAN — a isenção do IVA para os artistas tauromáquicos.

Esta terça-feira, Mário Centeno recebe os partidos no Parlamento para lhes apresentar aquelas que serão as linhas gerais do OE para 2019. Este encontro acontece todos os anos, dias antes da entrega do documento. As reuniões foram agendadas para o dia de hoje: às 9h45 é a vez do encontro com o PAN, às 10h30 do PSD, às 11h15 do PEV, às 12h do BE e às 12h45 do PCP. Para as 14h está marcada a reunião com o CDS. O Governo deverá entregar o Orçamento do Estado até ao próximo dia 15 de outubro, segunda-feira, na Assembleia da República.

(Notícia atualizada às 15h00 com mais informações.)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Orçamento prevê crescimento de 2,2% em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião