PSD satisfeito com défice mas preocupado com subida de juros

O ministro das Finanças está a apresentar as linhas gerais do OE para 2019. O Governo prevê ligeira desaceleração da economia no próximo ano. O Orçamento é entregue dentro de seis dias.

O PSD está satisfeito com a meta do défice para 2019, mas está preocupado com a subida das taxas de juro da dívida pública que aí vem e que o líder parlamentar laranja revelou ser uma tendência que o ministro das Finanças também antecipa.

Naturalmente a redução do défice satisfaz o PSD“, disse Fernando Negrão aos jornalistas à saída do encontro com o ministro das Finanças que está a apresentar as linhas gerais do Orçamento do Estado para 2019 aos partidos. O Governo prevê um défice entre 0% e 0,2% para o próximo ano.

Negrão mostrou-se ainda satisfeito com a previsão da taxa de desemprego, que o Executivo vai rever em baixa para cerca de 6%, como revelou o deputado do PAN, André Silva, esta manhã. O PSD foi o segundo partido a ser recebido pelo Governo.

No entanto, o PSD salienta que saiu do encontro preocupado com duas questões para as quais não obteve resposta. “As taxas de juro vão começar a subir. O próprio ministro confirmou isso“, disse o líder da bancada parlamentar, acrescentando que este é um ponto que “exige cautela”, mas para o qual o PSD “não obteve resposta”. Além disso, também os níveis de poupança preocupam o partido de Rui Rio.

Foi uma “reunião interessante”, mas com “poucas respostas”, afirmou ainda.

Questionado sobre o sentido de voto do PSD e as propostas de alteração ao documento, Fernando Negrão remeteu uma resposta para mais tarde, quando for o momento da votação do Orçamento no Parlamento, marcada para o final do mês. “Estamos ainda longe” dessa data.

O líder da bancada disse ainda acreditar na meta da dívida pública, que o Governo vai rever em baixa para 117% do PIB. “Acredito na meta na medida da redução do défice”.

CDS acusa Governo de “austeridade dissimulada”

À saída da reunião com o ministro das Finanças, o CDS-PP acusou o Governo de apresentar um Orçamento do Estado que perde a “oportunidade única de investir a sério na economia e na iniciativa privada”.

Na opinião de Cecília Meireles, a proposta avançada por Mário Centeno mantém a política de “consolidação orçamental através de austeridade dissimulada”, isto é, através da aprovação de despesas que “não serão realizadas”.

Nesse sentido, a deputada considerou que a discussão orçamental se está a tornar “cada vez menos credível”, tendo em conta que se debatem “autorizações de despesa” que depois o “Governo vai meter na gaveta”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD satisfeito com défice mas preocupado com subida de juros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião