BES mau exige 90 milhões de euros ao Goldman Sachs International

  • ECO
  • 11 Outubro 2018

De acordo com a contestação, o GSI não devolveu os 104 milhões de dólares exigidos porque o pedido não cumpre os requisitos legais, considera a contestação.

A comissão liquidatária do Banco Espírito Santo (BES) pretende que Goldman Sachs International devolva os juros e as comissões pagas na montagem do financiamento ao banco. Em causa estão 100 milhões de dólares, o equivalente a cerca de 90 milhões de euros, escreve esta quinta-feira o Jornal de Negócios [acesso condicionado].

Os responsáveis por acompanhar os últimos dias do BES consideram que o montante tem de ser distribuído por todos os credores e não ficar apenas na entidade presidida pelo português Durão Barroso. A Goldman já contestou.

Os advogados da Goldman Sachs International (GSI) pediram dados adicionais para estudarem o caso, mas já decidiram, uma vez que a contestação deu entrada no Tribunal do Comércio de Lisboa no início de outubro. O grupo financeiro multinacional não devolveu os 104 milhões de dólares exigidos porque o pedido não cumpre os requisitos legais, considera a contestação.

Foi no dia 4 de julho que os liquidatários do BES (César Brito, Miguel Alçada e Joana Martins) notificaram a GSI com uma declaração: considera extinta a obrigação de pagamento de juros e da comissão ao abrigo do acordo de financiamento celebrado entre o banco internacional e o BES, a 30 de julho de 2014, que foi concretizado através do veículo designado Oak Finance.

Nessa notificação, os liquidatários do BES instam a GSI a devolver cerca de uma centena de milhões de dólares ao BES mau, “correspondente à soma das parcelas” de 50 milhões de dólares (47 milhões de euros), “alegadamente devida a título de juros” pagos à Oak Finance, e de 54 milhões de dólares (44 milhões de euros), “alegadamente devida a título de comissões” pagos à GSI.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BES mau exige 90 milhões de euros ao Goldman Sachs International

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião