5 coisas que vão marcar o dia

É dia de saber o que têm, ou não, a dizer as agências de notação financeira sobre Portugal. DBRS e Moody's podem pronunciar-se, isto ao mesmo tempo que os investidores reagem à OPV falhada da Sonae.

Antes de se conhecer o Orçamento do Estado para 2019, as atenções voltam-se para as negociações do Governo com a Função Pública por causa dos aumentos salariais, mas também para a decisão quanto ao rating do país por parte da DBRS e da Moody’s. Nos mercados, os investidores vão estar atentos à Sonae, depois de falhada a OPV da Sonae MC, já lá fora destaque para o arranque da época de apresentação de contas nos EUA. Os bancos estarão em destaque.

Função Pública conhece proposta de aumentos

Era para ter sido na quarta-feira, mas passou para quinta. E acabou por ser adiada para esta sexta-feira a reunião dos sindicatos da Função Pública com o Ministério das Finanças. A FESAP – Federação de Sindicatos da Administração Pública, o STE – Sindicato Dos Quadros Técnicos Do Estado e a Frente Comum vão ficar a conhecer a proposta de Mário Centeno para os aumentos salariais. O Governo já disse que tem 50 milhões de euros para aumentos, um valor que gerou críticas dos seus parceiros de esquerda.

Caldeira Cabral explica escolha para a ERSE

Carlos Pereira foi o escolhido do Governo para vogal da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Mas a indigitação do deputado socialista para substituir Alexandre Santos, que já terminou o mandato rapidamente gerou polémica. O CDS foi o primeiro a insurgir-se contra a nomeação, exigindo a presença de Caldeira Cabral no Parlamento para explicar a opção. O ministro da Economia vai, esta tarde, responder às dúvidas dos deputados na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Será que a Moody’s sobe o rating?

Em vésperas de entrega da proposta de Orçamento do Estado para 2019 na Assembleia da República, o Governo prepara-se para conhecer a avaliação que as agências de rating fazem do país. Não é uma. São duas a fazê-lo esta sexta-feira. Uma delas é DBRS, que durante muito tempo foi a única a dar uma classificação de investimento de qualidade a Portugal, mas é sobre a Moody’s que recaem as atenções. É a única das três grandes que mantém a notação em “lixo”.

“Mantemos uma elevada expectativa de que em breve a dívida portuguesa possa merecer o grau de investimento por parte de todas as principais empresas de notação financeira“, afirmou o secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix um dia antes da decisão da Moody’s.

Sonae falha OPV. Como vão reagir os investidores?

Era grande a expectativa quanto à chegada ao mercado do negócio do retalho da Sonae. Na semana passada, a operação de colocação da Sonae MC em bolsa deu, finalmente, o “tiro de partida” após a aprovação do prospeto pela CMVM. A oferta arrancou, mas acabou por falhar. Dias de forte turbulência nos mercados de capitais impediram a Sonae de ser bem-sucedida na venda de ações aos grandes investidores, o que acabou por fazer cair a OPV. Como irão reagir os investidores? As atenções viram-se para as ações da Sonae.

Earnings season voltou… nos EUA

Numa altura em que é grande a tensão nos mercados financeiros, com as bolsas a registarem quedas acentuadas, muitos investidores esperam que a época de apresentação de resultados nos EUA possa trazer alguma acalmia. Esta sexta-feira são conhecidos os resultados do terceiro trimestre de alguns dos maiores bancos americanos, entre eles o Citigroup e o JPMorgan, podendo os números que apresentarem dar algum ânimo aos investidores ou, se ficarem aquém do esperado, acentuar ainda mais as quedas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião