Revista de imprensa internacional

O Facebook já removeu várias páginas com orientação política que violaram as regras da rede social, em preparação para as eleições. Pela Google, trabalha-se para eliminar as chamadas de operadoras.

Em antecipação das eleições nos EUA, o Facebook já removeu várias páginas com orientação política que violaram as regras da rede social. Pela Google, estão a trabalhar para eliminar as chamadas de operadoras. Enquanto isso, o presidente norte-americano defende as relações com a Arábia Saudita, à medida que figuras do Congresso pedem uma ação mais forte relativamente à morte de um jornalista. Estas e outras notícias marcam a atualidade internacional.

Bloomberg

Airbus pode lançar novo modelo antes de Boeing

Uma versão de maior alcance do novo jet A321neo da Airbus pode estar pronto por 2023, revela a Air Transat, um possível cliente, à Bloomberg. Se a fabricante de aeronaves conseguir lançar o modelo dentro dessa meta, ultrapassa a Boeing a introduzir a novidade no mercado. A empresa norte-americana também está a trabalhar num modelo semelhante, apesar de envolverem um avião novo, enquanto a Airbus terá como base um jet já existente.

Leia a notícia completa em Bloomberg (acesso livre, conteúdo em inglês).

The Guardian

Facebook remove centenas de páginas políticas dos EUA

A menos de um mês das eleições intercalares nos Estados Unidos da América (EUA), o Facebook anunciou que já removeu 559 páginas com orientação política e 251 contas — todas de origem americana — por quebrar repetidamente as regras estabelecidas pela rede social contra o spam. De acordo com o diretor de políticas de segurança cibernética do Facebook, Nathaniel Gleicher, e com o gerente de produto, Oscar Rodriguez, as páginas foram removidas, não pelo seu conteúdo político, mas sim porque violavam os termos e serviços da rede social.

Leia a notícia completa em The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês).

Business Insider

Google quer acabar para sempre com as chamadas das operadoras

“Nunca terás de falar com outro vendedor telefónico”, diz a chefe de produto da Google, Liza Ma, o que lhe valeu um forte aplauso. Call Screen é a nova funcionalidade incorporada na linha Pixel de telefones inteligentes da Google, que pretende acabar com o spam telefónico nos smartphones, filtrando, de maneira mais ativa, as chamadas recebidas.

Leia a notícia completa em Business Insider (acesso livre, conteúdo em espanhol).

The New York Times

Tensões entre Trump e Congresso por relações com Arábia Saudita

A morte de Jamal Khashoggi, um jornalista da Arábia Saudita que era colunista no The Washington Post, tem levantado suspeitas de um assassínio por parte do poder. Republicanos e democratas do Congresso norte-americano querem abrir uma investigação relativamente à matéria, mas Trump diz que as relações com Riade estão excelentes. O presidente norte-americano garante que o país vai averiguar o que se passou, mas alguns membros do partido pedem uma ação mais rápida e definitiva.

Leia a notícia completa em The New York Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

The Wall Street Journal

Paquistão tem de revelar dívidas para receber ajuda do FMI

Para o Paquistão ter acesso ao resgate, o país tem de ser “absolutamente transparente” no que toca às dívidas, disse a diretora do FMI, Christine Lagarde. Isto refere-se principalmente aos detalhes do programa de investimento “Belt-and-Road“, de 62 mil milhões de dólares, que a China iniciou no Paquistão há três anos, para construir estradas, centrais de energia e outras infraestruturas. O financiamento provinha da dívida paquistanesa ou de obrigações para a compra de eletricidade das novas centrais chinesas.

Leia a notícia completa em The Wall Street Journal (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião