Fundada no século XIX, cadeia de retalho norte-americana Sears declara falência

Pressionada pelo crescente concorrente - o comércio online - e pela dívida que tinha, a Sears declarou falência. A gigante de retalho não apresentava lucros desde 2010.

A gigante de retalho norte-americana Sears declarou falência na madrugada desta segunda-feira, avança o The New York Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês). O anúncio foi feito pela cadeia de retalho no mesmo dia em que deveria ter liquidado um pagamento de dívida no valor de 134 milhões de dólares, cerca de 115 milhões de euros.

O gestor de fundos de investimento Edward S. Lampert, responsável pela empresa, disse, em comunicado, que o plano que traçou para a Sears “não trouxe ainda os resultados” que esperava. Ainda assim, reforçou ter esperança de que o processo de falência possa ajudar a empresa a livrar-se das dívidas e a recuperar.

“À medida que nos aproximamos da época natalícia, as lojas da Sears e da Kmart [empresa que foi submetida a um processo de fusão com a Sears em 2005] continuarão abertas e os nossos dedicados funcionários estão prontos para servir os nossos membros e clientes”, afirmou Lampert no comunicado.

Ainda que Lampert tenha sido bastante otimista, a Sears anunciou, também, que, até ao final do ano, irá fechar pelo menos 142 lojas, além das 46 cujo encerramento já estava decidido.

Só na última década, a norte-americana eliminou 200 mil postos de trabalho. Ao mesmo tempo, enfrentava a competição — cada vez maior — por parte dos gigantes de comércio online, como é a Amazon, e a dívida crescente. A gestão de Lampert, cuja estratégia passou, ao longos dos últimos anos, pela venda de várias marcas e partes da empresas, tem sido várias vezes questionada. Desde 2010 que a empresa não registava lucros, e desde esse ano as suas vendas caíram cerca de 60%.

Fundada no século XIX, após o fim da Guerra Civil americana, a Sears, Roebuck & Company começou por vender para todo o país por catálogo e rapidamente se expandiu para várias lojas físicas. Roupa, joias, eletrodomésticos ou até mesmo automóveis, era possível comprar produtos de todo o tipo neste estabelecimento, que rapidamente se tornou um símbolo da prosperidade económica.

No entanto, para Craig Johnson, presidente da consultora Customer Growth Partner, o grande problema da Sears foi ter deixado de inovar. “Quando se está no negócio do comércio a retalho, tudo gira à volta da novidade. Mas a Sears deixou de inovar”, disse, acrescentando que esta segunda-feira “é um dia triste para o retalho americano”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundada no século XIX, cadeia de retalho norte-americana Sears declara falência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião