Greve dos enfermeiros com adesão de 63,6% nos hospitais do SNS

  • Lusa
  • 16 Outubro 2018

Os enfermeiros regressaram esta terça-feira à greve nacional de seis dias iniciada na semana passada e que teve níveis de adesão entre os 70 e os 75%, segundo os sindicatos.

A greve dos enfermeiros regista esta terça-feira níveis de adesão nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde de 63,6%, segundo o presidente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP).

Em conferência de imprensa realizada em frente do Hospital de São José, em Lisboa, José Carlos Martins adiantou que o balanço feito às 11h00 de hoje indicava que havia blocos operatórios com níveis de adesão à greve superiores aos 63,6%, apontando o caso dos hospitais da Figueira da Foz, de Abrantes e a Maternidade Bissaya Barreto, em que a adesão foi de 100%. No Hospital de Santa Maria, em Lisboa, a adesão à paralisação fixou-se nos 72,7% e no hospital de São João, no Porto, em 73,9%.

Para o presidente do SEP, estes dados significam que os enfermeiros “continuam insatisfeitos” e exigem que o Governo cumpra o compromisso assumido no processo negocial iniciado em 2017. José Carlos Martins indicou que os enfermeiros esperam que a nova equipa do Ministério da Saúde, tutelada por Marta Temido, apresente “a proposta da carreira nos termos do protocolo” que foi negociado pela anterior equipa, liderada por Adalberto campos Fernandes.

Os enfermeiros regressaram hoje à greve nacional de seis dias iniciada na semana passada e que teve níveis de adesão entre os 70 e os 75%, segundo os sindicatos. Os sindicatos exigem a revisão da carreira de enfermagem, a definição das condições de acesso às categorias, a grelha salarial, os princípios do sistema de avaliação do desempenho, do regime e organização do tempo de trabalho e as condições e critérios aplicáveis aos concursos.

Os enfermeiros reivindicam ainda “a valorização económica do trabalho” e a sua dignificação, nomeadamente com o reconhecimento da categoria de enfermeiro especialista e uma categoria na área da gestão, “o reconhecimento da penosidade da profissão”, através da compensação de quem trabalha por turnos, e a reposição dos critérios para a aposentação 35 anos de serviço e 57 de idade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greve dos enfermeiros com adesão de 63,6% nos hospitais do SNS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião