Brexit: May não exclui extensão do período de transição

  • Lusa
  • 18 Outubro 2018

Extensão seria "só por alguns meses", mas a porta está aberta para estender o período de transição, caso não seja possível fechar o acordo para a futura relação comercial a 31 de dezembro.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, não excluiu esta quinta-feira a possibilidade de aceitar uma extensão do período de transição após o ‘Brexit’, para ter mais tempo para alcançar um acordo comercial com a União Europeia.

“Uma nova ideia surgiu e essa ideia, neste momento, é a opção de estender o período de transição por mais alguns meses. Mas seria mesmo só mais alguns meses”, disse à entrada para o segundo dia do Conselho Europeu, em Bruxelas.

Uma nova ideia surgiu e essa ideia, neste momento, é a opção de estender o período de transição por mais alguns meses. Mas seria mesmo só mais alguns meses.

Theresa May

Primeira-ministra britânica

No entanto, de acordo com a primeira-ministra britânica, essa opção só seria ativada caso não fosse possível fechar o acordo para a futura relação comercial a 31 de dezembro de 2020, dia em que termina o período de transição já acordado.

“Estamos a trabalhar para que a relação futura esteja em vigor no final de dezembro de 2020. Estou confiante que é possível fazer isso, e nessas circunstâncias, não haveria necessidade para qualquer medida deste tipo”, sublinhou Theresa May.

Os líderes europeus continuam reunidos hoje em Bruxelas, para uma sessão de trabalhos do Conselho Europeu dedicada sobretudo às questões das migrações e da cibersegurança, seguindo-se uma cimeira do Euro, na qual participará também o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno. Portugal está representado no Conselho Europeu pelo primeiro-ministro, António Costa.

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia entretanto concordaram que não se registaram progressos suficientes nas negociações com o Reino Unido para agendar uma nova cimeira para novembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: May não exclui extensão do período de transição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião