CTT avançam para tribunal contra a Anacom

Os CTT contestam o relatório da Anacom sobre a qualidade do serviço dos correios prestado pela empresa. Neste sentido vai avançar para tribunal.

Os CTT contestam o relatório da Anacom sobre a qualidade do serviço dos correios prestado pela empresa. Neste sentido vão avançar pela “via de ação arbitral e administrativa ” no sentido de tentar invalidar a decisão do regulador que qualifica de “desproporcional e desadequada”.

“Os CTT consideram que a adequada defesa dos legítimos direitos e interesses da empresa justifica o recurso aos referidos meios processuais, sem prejuízo de os CTT manterem uma estratégia empenhada na contínua melhoria operacional e satisfação dos seus clientes, reforçada com o recente anúncio de investimento na modernização da distribuição postal”, dizem os CTT em comunicado.

Os CTT pedem assim a “declaração de invalidade” da decisão de 18 de julho, em que o regulador aprovou os indicadores de qualidade do serviço universal que os CTT vão ter de cumprir em 2019 e 2020 enquanto prestador do serviço postal universal.

A empresa liderada por Francisco de Lacerda dá assim seguimento ao que já naquela altura tinha admitido vir a fazer. Ainda em julho, logo após a divulgação dos critérios de qualidade, os CTT disseram que os iria analisar e que estava a ponderar recorrer aos meios legais.

São cinco os pontos referidos na fundamentação apresentada pelos CTT para avançar com esta contestação.

Em comunicado enviado à CMVM, os Correios começam por dizer que “as obrigações de qualidade de serviço do SPU aí previstas constituem uma alteração do paradigma vigente nos últimos 18 anos, sobretudo ao eliminar o indicador global de serviço e impor um incremento significativos seja do número de indicadores de qualidade de serviços de 11 para 24, seja dos objetivos por IQS”.

Salienta ainda que, num contexto de queda do tráfego postal e crescente digitalização da população e das empresas torna “tais obrigações de qualidade de serviço do SPU afiguram-se desproporcionais“.

Além disso, refere que “os objetivos agravados (em especial, incluindo 6 indicadores de qualidade de serviço com objetivos de 99,9%) são também desajustados se considerarmos os erros inevitáveis dos processos manuais e automatizados de qualquer atividade”, alertando que estas realidades “prejudicam a exequibilidade de tais objetivos”.

Os CTT socorrem-se ainda de um estudo comparativo para suportar o “caráter desproporcional e inadequado” das imposições da Anacom.

A empresa liderada por Francisco de Lacerda refere ainda que, caso a decisão da Anacom não seja considerada inválida, pretende apresentar também um pedido subsidiário de compensação, salientando que “este quadro regulatório vem afetar o equilíbrio financeiro da concessão”, avançando com uma estimativa de um encargo adicional de até 12 milhões de euros por ano nos dois anos até 2020 para que os CTT se consigam aproximar do cumprimento dos objetivos impostos”.

(Notícia atualizada às 18h15 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT avançam para tribunal contra a Anacom

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião