Fidelidade terá de pagar 5,71 euros por ação para tirar Luz Saúde de bolsa

A Fidelidade ofereceu 5,71 euros por ação para tirar a dona do Hospital da Luz de bolsa. A CMVM nomeou um auditor que diz que a contrapartida mínima é inferior, de 5,52 euros.

A Luz Saúde está cada vez mais perto de sair de bolsa. Depois da espera, o auditor independente nomeado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) definiu, finalmente, o valor justo da dona do Hospital da Luz. Diz que cada ação vale 5,52 euros, abaixo do valor oferecido pela Fidelidade. Sendo assim, a seguradora terá de pagar os 5,71 euros inicialmente propostos.

Em “consequência da nomeação de um auditor independente para fixação da contrapartida mínima a oferecer no âmbito do procedimento de perda de qualidade de sociedade aberta da Luz Saúde”, a CMVM “recebeu o respetivo relatório”. E nesse, o auditor refere que, “com base no trabalho efetuado, consideramos que 5,52 euros, deve ser considerada a oferta mínima a oferecer”.

Este valor representaria uma poupança para a Fidelidade face ao valor que esta tinha proposto antes de a CMVM nomear o auditor independente devido à reduzida liquidez dos títulos. No entanto, as regras ditam que caso esta avaliação seja inferior àquela que foi proposta, vale o valor mais alto.

"O valor da contrapartida a pagar pela aquisição das ações detidas pelos acionistas que não tenham aprovado a referida deliberação será de 5,71 euros por ação.”

CMVM

“A contrapartida assim determinada encontra-se abaixo do valor que a acionista Fidelidade assumiu, na proposta aprovada em assembleia geral extraordinária da Luz Saúde, de 5,71 euros, no que diz respeito ao compromisso de adquirir as ações detidas pelos acionistas que não tenham votado favoravelmente a perda de qualidade de sociedade aberta”, diz a CMVM.

Além disso, os 5,71 euros correspondem “ao maior preço pago no período de seis meses anterior à divulgação da convocatória da referida assembleia geral, no contexto da celebração de um contrato de compra e venda de ações representativas do capital social da Luz Saúde” pela Fidelidade.

Assim, diz a CMVM, “o valor da contrapartida a pagar pela aquisição das ações detidas pelos acionistas que não tenham aprovado a referida deliberação será de 5,71 euros por ação“. Este valor compara com os 5,55 euros a que os títulos estão avaliados em bolsa. Ou seja, há um prémio de 2,9% face ao mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fidelidade terá de pagar 5,71 euros por ação para tirar Luz Saúde de bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião