Mayor de Londres pede referendo para travar o Brexit

  • Lusa
  • 20 Outubro 2018

Sadiq Khan, presidente da Câmara de Londres, apelou este sábado à realização de um referendo que dê aos britânicos a possibilidade de optarem pela permanência do Reino Unido na União Europeia.

O presidente da Câmara de Londres, o trabalhista Sadiq Khan, pediu este sábado a realização de um referendo que dê aos britânicos a opção de permanecer na União Europeia (UE), no início de uma manifestação na capital britânica.

A marcha destina-se a reclamar um plebiscito sobre os termos da saída britânica da UE e, segundo os organizadores, conta com a presença de milhares de pessoas, que responderam ao apelo da “People’s Vote”, um movimento que exige que se submeta a votação o acordo que possa ser alcançado com Bruxelas sobre o Brexit.

No primeiro referendo sobre a saída britânica da UE, que decorreu em junho de 2016, 51,9% dos votantes pronunciaram-se a favor da saída. “Algumas das promessas que foram feitas há dois anos não se materializaram. Ninguém falou na altura da possibilidade de um mau acordo, ou de não haver mesmo um acordo”, disse Khan em declarações à Sky News, antes do começo da manifestação.

“Ninguém disse na altura que não teríamos acesso ao mercado único, ninguém falou na possibilidade de ser prejudicada a saúde pública”, acrescentou, considerando que “não se pode confiar nos políticos para tomar a decisão correta”. A questão de um novo referendo causou divergências no último congresso do Partido Trabalhista, em setembro, com o líder da formação, Jeremy Corbyn, a defender que o seu principal objetivo é a convocação de eleições.

A alguns meses da data prevista para o Reino Unido deixar a UE, a 29 de março de 2019, as negociações entre Londres e Bruxelas continuam bloqueadas, em particular sobre a fronteira irlandesa, permanecendo a incerteza sobre a forma como será essa saída.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mayor de Londres pede referendo para travar o Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião