Costa recusa eleitoralismo e diz que trabalha para década de convergência com UE

  • Lusa
  • 23 Outubro 2018

O secretário-geral do PS rejeitou que a proposta de Orçamento vise somente o amanhã, contrapondo que responde às questões de futuro para uma década de convergência com a Europa.

O secretário-geral do PS rejeitou esta segunda-feira à noite que a proposta de Orçamento vise somente o amanhã, numa alusão às críticas de eleitoralismo, contrapondo que responde às questões de futuro para uma década de convergência com a Europa.

Esta foi a posição central assumida no discurso que António Costa fez perante os militantes da Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL) do PS, numa sessão destinada a apresentar as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado para 2019.

Sem nunca se referir diretamente à crítica da oposição de que este Orçamento (o último da legislatura) tem objetivos eleitoralistas, o líder socialista e primeiro-ministro insistiu que a proposta do Governo “é de continuidade” em relação às anteriores de 2016, 2017 e de 2018, mantendo a meta de assegurar “contas certas”, mas apostando num conjunto de políticas de futuro “para que Portugal tenha uma década de convergência com a União Europeia”.

“Este Orçamento dá continuidade às boas políticas que seguimos, mas não o faz com os olhos postos no dia de amanhã. Temos os olhos postos no futuro e, por isso, ao mesmo tempo que damos continuidade às políticas, também lançamos as bases de novas políticas para preparar o futuro, atraindo recursos humanos, dando melhores condições às novas gerações para viverem em Portugal e dando melhores condições para quem cria na cultura ou para quem investiga na ciência”, disse.

Perante os militantes socialistas, António Costa acentuou que essa estratégia de valorização dos recursos humanos é mesmo central, “porque só assim Portugal pode continuar a atrair novas empresas”.

“Esta proposta de Orçamento para 2019 lança desde já as bases daquilo que pretendemos continuar a fazer nos próximos anos. Como dissemos desde o princípio, temos um objetivo muito claro: uma década de convergência com a União Europeia. E é para essa década de convergência que estamos a trabalhar”, disse.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa recusa eleitoralismo e diz que trabalha para década de convergência com UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião