Ministra da Justiça garante que PJ terá reforço de efetivos no próximo ano

  • Lusa
  • 26 Outubro 2018

"É possível garantir que para o ano faremos tudo no sentido que haja ingressos na PJ", disse Francisca Van Dunem, adiantando que haverá "seguramente no próximo ano um reforço de efetivos".

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, garantiu esta sexta-feira que a Polícia Judiciária terá no próximo ano um reforço de efetivos e que prosseguirá o processo de modernização tecnológica em curso.

É possível garantir que para o ano faremos tudo no sentido que haja ingressos na Polícia Judiciaria (PJ). Temos números, temos estado a trabalhar sobre os números. As pessoas integrarão de acordo com a capacidade e disponibilidade, mas terá seguramente no próximo ano um reforço de efetivos”, disse Francisca Van Dunem durante as comemorações do 73.º aniversário da Polícia Judiciária.

O diretor nacional da Polícia Judiciária, Luís Neves, alertou no seu discurso para a necessidade de um reforço de meios humanos, considerando que a PJ dispõe atualmente dos mais reduzidos contingentes da carreira de investigação criminal da sua história. “A média etária desse grupo funcional é também a mais elevada de sempre, superando os 48 anos de idade”, disse. Luís Neves identificou ainda um conjunto de outras dificuldades, tais como a degradação de algumas instalações, a escassez do parque informático e automóvel.

O orçamento da PJ para aquisição de bens e serviços, frisou o diretor nacional, é inferior ao de 2005, quando, defendeu, “qualquer dispêndio na Polícia Judiciária é um investimento garantido a curto prazo”. “É um investimento com um retorno inigualável”, disse, adiantando que entre 2014 e 2017 a PJ apreendeu e arrestou bens no valor superior a 278 milhões de euros e que, no domínio da criminalidade financeira, foram suspensas operações suspeitas de valor superior a 100 milhões de euros entre 2015 e 2017 e que em 2018 já foi atingido esse mesmo valor de 100 milhões.

“Contava, confesso, poder hoje aqui anunciar que em 2019 seria aberto novo concurso, e em 2020, em 2021 e assim por diante”, disse Luís Neves alertando para a criminalidade cada vez mais complexa e exigente que obriga a patamares de especialização cada vez mais elevados.

Em declarações aos jornalistas no final da cerimónia, Luís Neves disse que tem tido o apoio total e integral da tutela esperando que o reforço seja em breve. “O orçamento foi apresentado, está a ser discutido no parlamento e o orçamento que foi enviado à tutela por nós prevê a realização para o ano de todos os concursos que referi. É apenas uma questão de decisão do Ministério das Finanças para que possamos dar sequencia ao que é o nosso anseio que é o reforço da capacitação de toda a judiciária”, frisou.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministra da Justiça garante que PJ terá reforço de efetivos no próximo ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião