Avião indonésio com 189 pessoas a bordo caiu no Mar de Java

  • ECO e Lusa
  • 29 Outubro 2018

O avião seguia da capital indonésia para Pangkal Pinang, na ilha de Samatra, num voo que tinha uma duração prevista de uma hora. o aparelho registou problemas técnicos no último voo.

As autoridades indonésias informaram esta segunda-feira que o avião da companhia aérea Lion Air caiu no Mar de Java, com 189 pessoas a bordo, 13 minutos depois de ter descolado do aeroporto de Jacarta.

“O acidente foi confirmado”, disse o porta-voz das equipas de emergência, Yusuf Latif, num momento em que decorrem operações de busca e salvamento.

O presidente da Lion Air revelou que o aparelho registou problemas técnicos no último voo. Mas Edward Sirait garantiu que o problema técnico detetado no Boieng 737 Max 8 tinha ficado resolvido de acordo com os procedimentos recomendados pelo fabricante. No entanto, Sirait não especificou o problema técnico que ocorreu no voo anterior nem se referiu à ligação que fazia.

O avião seguia da capital indonésia para Pangkal Pinang, na ilha de Samatra, num voo que tinha uma duração prevista de uma hora. O avião Boeing 737-800, da companhia aérea de low cost Lion Air, partiu de Jacarta por volta das 06h20 de hoje (22h20 de domingo em Lisboa).

A página de internet da Flightradar, que regista o percurso dos voos, mostra num mapa a trajetória da aeronave em direção a sudoeste, um desvio para sul e depois para nordeste antes de desaparecer repentinamente sobre o Mar de Java, não muito longe da costa. O diretor-geral do organismo de Transportes Aéreos indonésios, disse que o avião que fazia hoje a ligação entre Jacarta e Pangkal Pinang, Sumatra, pediu para regressar ao aeroporto da capital pouco depois da descolagem. “O aparelho pediu autorização para regressar à base depois de ter desaparecido dos radares”, disse Sindu Rahayu que não forneceu mais detalhes sobre a mensagem transmitida pelo avião.

O desastre ocorre pouco depois de ter sido levantada a proibição de ligações das companhias aéreas indonésias para os Estados Unidos e para os países da União Europeia devido a questões de segurança.

O vice-chefe do Serviço Nacional de Resgate, Nugroho Budi Wiryanto disse que se encontram no local um total de 300 efetivos da polícia, forças armadas, além de pescadores da zona. “Esperamos um milagre de Deus”, disse Wiryanto quando questionado se é possível resgatar passageiros ou tripulantes com vida. A Reuters avança que já foram recuperados alguns restos mortais das vítimas do acidente, a cerca de 15 quilómetros da costa.

O ministro das Finanças, Sri Mulyani, que se encontra no posto de controlo do Serviço Nacional de Resgate, disse que 20 elementos do ministério, que tinham estado presentes numa reunião em Jacarta, encontravam-se a bordo do avião da Lion Air.

A Indonésia, um arquipélago do sudeste asiático de 17.000 ilhas e ilhotas, é altamente dependente de ligações aéreas, sendo que os acidentes são comuns. Em agosto, uma criança de 12 anos sobreviveu a um acidente aéreo que matou oito pessoas numa área montanhosa da remota província de Papua (leste). Em dezembro de 2016, 13 pessoas morreram quando um avião militar se despenhou perto de Timika, outra região montanhosa de Papua.

Em agosto de 2015, um ATR 42-300 da companhia aérea indonésia Trigana Air, que transportava 49 passageiros e cinco tripulantes, todos indonésios, caiu nas Montanhas Bintang. Nenhum sobrevivente foi encontrado.

Austrália proíbe funcionários de viajarem na companhia indonésia Lion

O Governo australiano proibiu os funcionários do Executivo e contratados de voar com a companhia indonésia Lion Air, até que pelo menos esteja concluída a investigação sobre o acidente desta segunda-feira. “Depois da queda de um avião da Lion Air hoje, funcionários do Governo australiano e contratados foram instruídos a não voar com a Lion Air. A decisão será revista quando forem claros os resultados da investigação ao acidente”, explica o alerta.

A curta mensagem não formaliza qualquer recomendação a outros cidadãos australianos.

(Notícia atualizada às 9h33 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Avião indonésio com 189 pessoas a bordo caiu no Mar de Java

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião