Metro de Lisboa investiu apenas 10% do previsto

  • ECO
  • 29 Outubro 2018

Os atrasos são sobretudo notórios nos investimentos previstos para a criação da futura linha circular ou na remodelação da Linha Verde. Metro fala de atrasos na aprovação de obras pela tutela.

Nos três primeiros meses do ano, o Metropolitano de Lisboa deveria ter investido 6,9 milhões de euros, em obras como o prolongamento da rede entre o Rato e o Cais do Sodré ou a remodelação da Linha Verde. No entanto, até março, a empresa investiu cerca de 10% do montante que está inscrito no Plano de Atividades e Orçamento, ou seja, cerca de 750 mil euros, avança o Jornal de Negócios (acesso pago) esta segunda-feira.

O valor dos investimentos efetivamente realizados assumem uma dimensão ainda mais reduzida quando a avaliação é feita à luz do montante que a empresa deveria investir ao longo deste ano. No primeiro trimestre foram utilizados apenas 2,1% do total de 36,6 milhões de euros previstos para o conjunto do ano.

A razão do atraso? “Os atrasos que se têm vindo a verificar no lançamento de procedimentos de empreitadas, que por integrarem despesas plurianuais, necessitam de autorização prévia da tutela, o que torna o processo de contratação pública mais moroso”, explica a empresa ao Negócios.

"Os atrasos que se têm vindo a verificar no lançamento de procedimentos de empreitadas, que por integrarem despesas plurianuais, necessitam de autorização prévia da tutela, o que torna o processo de contratação pública mais moroso.”

Metropolitano de Lisboa

Os atrasos são sobretudo notórios nos investimentos previstos para a criação da futura linha circular, que implica o prolongamento e ligação entre as estações de Cais do Sodré e Rato onde foram apenas executados 105 mil euros, quando estavam previstos 2,7 milhões. Já nos investimentos previstos na estação da Baixa-Chiado ou na remodelação da rede não foi utilizado dinheiro nenhum.

A atividade da empresa continua ainda a ser afetada pela falta de material circulante. A oferta de comboios ficou 10% aquém do que estava inscrito no plano de atividades, devido a “alguns atrasos na manutenção, justificados quer pela falta de meios humanos quer pela falta pontual de alguns materiais”, explica a empresa.

Já o número de passageiros transportados aumentou 6,2% face ao previsto no mesmo plano, com destaque para uma maior utilização por parte das crianças até aos 12 anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Metro de Lisboa investiu apenas 10% do previsto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião