Sindicato pede contratações imediatas no metro de Lisboa

  • Lusa
  • 26 Setembro 2018

Os trabalhadores do metro de Lisboa disseram que o que é, de facto, necessário é a admissão de novos trabalhadores. O ministro do Ambiente diz que essa autorização será dada “a muito breve trecho".

Trabalhadores do metro de Lisboa pediram esta quarta-feira contratações imediatas na empresa, recusando “festas para lançamento” da compra de novo material circulante, “que só chegará em 2021”.

As reivindicações constam de um documento entregue esta manhã a passageiros do metro e depois ao primeiro-ministro, António Costa, e ao ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, com quem o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP) se reúne ao final da tarde.

À porta da estação de metro do Alto dos Moinhos, onde decorreu a cerimónia de lançamento do concurso para compra de material circulante e sistema de controlo automático de comboios, um grupo de trabalhadores abordou brevemente o ministro e o primeiro-ministro, entregando-lhes as reivindicações.

“Não precisamos de festas para lançamento da aquisição do novo material circulante que só chegará em 2021, o necessário é admissão de novos trabalhadores, já”, lê-se no documento.

Na intervenção que fez no lançamento do concurso, o ministro do Ambiente aludiu à questão, referindo que a autorização para a contratação de novos trabalhadores será dada “a muito breve trecho”.

O presidente do conselho de administração do Metropolitano, Vítor Domingos dos Santos, por seu turno, disse que só com “o esforço dos trabalhadores” foi possível à empresa enfrentar um período de “quase ausência de investimento”.

No documento distribuído, o sindicato afirma que o Governo e a administração do Metropolitano prometeram, até ao final de maio, a contratação de 30 trabalhadores para apoiar os utentes nas estações e 23 para as equipas de manutenção.

O concurso lançado esta quarta-feira representa um investimento de 127 milhões de euros na compra de 14 unidades triplas e um novo sistema de controlo automático dos comboios.

O Metropolitano de Lisboa aponta 2025 como data limite para entrada em funcionamento do novo equipamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicato pede contratações imediatas no metro de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião