Greve do metro durante Web Summit deverá afetar 500 mil

Nova greve está agendada para o primeiro dia completo da edição deste ano do Web Summit. Metropolitano de Lisboa diz ao ECO que vai monitorizar, nos dias do evento, especialmente a linha vermelha.

A greve da Metro de Lisboa, agendada para 6 de novembro — primeiro dia completo de Web Summit –, deverá afetar cerca de 500 mil clientes da empresa, incluindo milhares de participantes do maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo. É que, de acordo com dados do Metro de Lisboa a que o ECO teve acesso, a empresa transportou 1,41 milhões de clientes (quase 500 mil por dia) na “linha vermelha” durante os três dias de evento, em 2017 (nessa edição, assistiram à reunião mais de 59 mil pessoas). Considerando as cerca de 70 mil pessoas esperadas no evento durante a edição deste ano, que arranca a 5 e vai até 8 de novembro, o impacto deverá ser maior do que os 500 mil clientes.

A paralisação no metro de Lisboa, marcada para 6 de novembro, deverá ainda condicionar a zona de acreditação da conferência, cuja participação deverá este ano ultrapassar as 70 mil pessoas, de acordo com as expectativas da organização.

“Durante a edição do Web Summit de 2017, o Metropolitano de Lisboa transportou, nos três dias do evento, um total de 1.418.398 clientes na linha vermelha (estação oriente). O Metropolitano de Lisboa vai monitorizar, durante os dias da conferência, a circulação nas suas linhas, em especial na linha Vermelha, que serve diretamente o evento, tendo em vista procurar ajustar a oferta à procura, a cada momento, no sentido de garantir um serviço de transporte de qualidade aos seus clientes”, afirma fonte oficial do Metropolitano de Lisboa, ao ECO.

Tal como em anos anteriores, o Metro de Lisboa vai estar presente “nos locais de acreditação do evento, designadamente no Aeroporto e na FIL, prestando a informação e o encaminhamento dos visitantes para o transporte público, realizando, ainda, a venda de títulos de transporte nesses locais”. Além de uma maior presença, o Metropolitano de Lisboa vai reforçar o serviço de apoio ao cliente na generalidade das estações e, “em particular, nas estações Aeroporto, Oriente, Alameda, São Sebastião, Restauradores, Baixa Chiado e Cais do Sodré, tendo em conta que a afluência de passageiros, prevista por ocasião deste evento, poderá implicar alterações ao serviço de transporte programado, amenizando, deste modo, eventuais constrangimentos que daí possam advir”, afirma a empresa.

A câmara de Lisboa espera que a questão seja resolvida, salvaguardando o direito de paragem dos trabalhadores. “A greve é um direito; esperamos que as partes cheguem a acordo, de forma a que nem os utentes habituais do metro nem os participantes da Web Summit sejam prejudicados“, diz fonte oficial da autarquia contactada pelo ECO. A câmara lembra ainda que “existem alternativas como o comboio (Linha de Cintura – ligando Alcântara, Entrecampos ou Areeiro ao Parque das Nações em poucos minutos)”.

Já o Web Summit, contactado pelo ECO, afirma que não comenta “potenciais greves”.

No ano passado, o Metro de Lisboa lançou, juntamente com a CP e a Carris, três passes especiais para incentivar o uso do metropolitano nos dias em que decorria o Web Summit. Os passes foram, na altura, vendidos nas áreas de credenciação do evento e na Feira Internacional de Lisboa. Entre as opções estavam passes combinados (metro, CP e Carris) para um dia (10 euros), para três dias (20 euros) e ainda para cinco dias (25 euros).

Além dos passes especiais, a linha vermelha, que serve a zona do Parque das Nações e que liga o centro da cidade à Expo, teve um reforço nas horas de ponta, ao fim de semana e nas noites da semana do evento, que decorre este ano entre 5 e 8 de novembro, em Lisboa.

Este ano, o Metro lança ainda o Voucher Viva, um passe que pode ser comprado online para evitar filas e esperas. Na plataforma, o cliente seleciona o tipo de passe pretendido, faz o pagamento através de cartão de crédito (redes Visa, Mastercard e Maestro) e recebe, por correio eletrónico, a confirmação de compra e o respetivo voucher que terá associado um código numérico de 14 dígitos. O voucher é levantado depois em qualquer máquina de venda automática.

Esta é a terceira edição do Web Summit realizada na capital portuguesa depois de, em 2016, o evento se ter mudar de Dublin, casa-Natal, para a capital portuguesa. Entre os argumentos para a mudança estiveram a boa rede de transportes e de internet oferecidas pela cidade.

Comentários ({{ total }})

Greve do metro durante Web Summit deverá afetar 500 mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião