Web Summit em Portugal até 2028. Conheça os números

Governo, autarquia e organização divulgaram esta quarta-feira alguns números do evento. Portugal vai pagar 11 milhões por ano para manter o Web Summit em Lisboa.

“Ganhámos!”. Foi assim que Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, anunciou oficialmente esta manhã que o Web Summit fica em Lisboa nos próximos dez anos. Depois de meses de negociações, Lisboa venceu a concorrência, que contava com cidades como Madrid, Berlim, Valência, Londres e Paris.

Os números da continuidade do Web Summit em Lisboa.Infografia: Lídia Leão

Paddy Cosgrave, cofundador e CEO da maior conferência de empreendedorismo e tecnologia do mundo, diz que não foram os números que mais pesaram na balança que levou a organização irlandesa a escolher Portugal e, a capital, Lisboa, para ser casa do Web Summit até 2028.

Ainda assim, na conferência de imprensa da manhã desta quarta-feira foram divulgados vários números que serviram de sustentação à proposta de Lisboa.

2028

Lisboa vai ficar ligada ao Web Summit até 2028. O acordo entre o Governo, o Web Summit e a Câmara de Lisboa prevê que o evento se mantenha na capital portuguesa durante os próximos dez anos. O Web Summit mudou-se para Lisboa em 2015, primeira cidade além de Dublin, onde foi criado, a acolher o evento.

11 milhões de euros

O valor que Portugal vai pagar ao Web Summit para garantir que o evento continua em Lisboa. O montante será pago anualmente e servirá de apoio à organização. O investimento de 11 milhões será repartido pelo Fundo de Desenvolvimento Turístico lisboeta e pelo Ministério da Economia, anunciou o ministro Manuel Caldeira Cabral esta manhã.

Nos primeiros três anos, o Governo investiu 1,3 milhões por ano para garantir a realização do evento em Portugal. O impacto económico anual do evento, estimado pelo Governo no ano passado, foi de 300 milhões de euros apenas em turismo e serviços associados.

340 milhões de euros

O valor anual da cláusula que o Web Summit terá de pagar a Portugal se decidir sair do país antes do final do período acordado. O Web Summit deve manter-se em Portugal nos próximos dez anos, prolongando para 13 o número de anos em que organizou o evento em Lisboa. No total, a cláusula de rescisão de contrato poderá ascender aos três mil milhões de euros.

00h00

Já passava da meia-noite de sexta-feira passada quando Paddy Cosgrave recebeu uma chamada de Fernando Medina. “Este homem [referindo-se a Fernando Medina] ligou-me depois da meia-noite quando as coisas não estavam a avançar. (…) E fez dos melhores discursos depois da meia noite que já ouvi, seguramente depois de jantar num bom restaurante e com um bom vinho. (…) Fui para o meu hotel, depois fui jantar sozinho, cruzei-me com um grupo de engenheiros do Exército, e depois com um grupo de trabalhadores jovens da Farfetch, que me perguntaram para onde ia o evento. Todos estes momentos em que fui abordado me inspiraram”, contou o CEO do Web Summit sobre o processo de negociação com Lisboa para a continuidade do Web Summit.

100 mil

O número de referência de participantes avançado por Fernando Medina na conferência de imprensa. “O investimento na FIL vai permitir acolher 100 mil participantes, ou mais”, garantiu o presidente da Câmara de Lisboa.

30 milhões

Também presente numa parte da conferência de imprensa, o primeiro-ministro António Costa disse esta manhã que o valor das receitas fiscais diretas vindas do Web Summit foram de 30 milhões de euros em 2017.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Web Summit em Portugal até 2028. Conheça os números

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião