Londres, Berlim, Madrid ou Lisboa. Onde será o Web Summit em 2019?

Portugal concorre com Lisboa e, a seu favor, tem três edições anteriores bem concretizadas. Mas o espaço limitado da FIL pode fazer os irlandeses optar por outra localização: Web Summit quer crescer.

Paddy Cosgrave disse “adeus” a Dublin a 23 de setembro de 2015. Será tempo de dizer “adeus” a Lisboa?

Em setembro de 2018, em Berlim e Amesterdão. Em dezembro, em Milão. Depois, em Paris. Parece a Volta à Europa em menos de 80 dias, as viagens que Paddy Cosgrave, cofundador e CEO do Web Summit, tem feito nos últimos tempos. Tudo porque a última edição do maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo garantida em Lisboa está à porta — decorre entre 5 e 8 de novembro, no Altice Arena e na FIL, no Parque das Nações –, e há que procurar localização para o evento nos próximos anos.

“Milano for a day!”, escrevia Paddy no seu perfil de Facebook a 15 de dezembro de 2017. Dois dias antes, a 13 de dezembro, Paddy era fotografado em frente à porta do número 10 de Downing Street, residência oficial da primeira-ministra britânica. No final do ano passado, o CEO e cofundador do Web Summit andou em périplo por várias cidades da Europa. Agora, sabe-se, a organização tem várias opções em cima da mesa para a próxima cidade a acolher o evento.

Quando, em 2015, Paulo Portas, na altura vice-primeiro-ministro do Governo, anunciou que o evento ia mudar-se de Dublin para Portugal, os argumentos foram revelados: “a atividade no Twitter e nas comunidades” surpreendeu Paddy Cosgrave e Portugal permitia que o evento crescesse. “Em cada 100 tweets, 95 defendiam Lisboa”, explicou na altura o irlandês, sublinhando que “coisas pequenas como estas acabam por pesar na decisão”.

Na altura, Paddy anunciava que o Web Summit deveria crescer até às 80 mil pessoas nos anos em que estivesse por Lisboa — no ano passado, o evento contou com mais de 59 mil pessoas e, este ano, a organização espera chegar às 70 mil.

“Portugal como país, Lisboa como cidade, foram escolhidas como sede oficial do Web Summit nos próximos três anos, havendo a possibilidade de o acolher por mais dois”, disse na altura Portas. A candidatura, organizada pelo Turismo de Portugal, Associação de Turismo de Lisboa e Aicep (Agencia de Investimento de Portugal) levou Lisboa a integrar primeiro a short list de candidaturas — lista em que concorria com Paris, Barcelona, Dublin e Amesterdão — para, depois, vencer.

De acordo com o anúncio feito em Lisboa, nesse mês de setembro, a capital portuguesa ainda tem dois anos opcionais que podem juntar-se aos três acordados mas será que a equipa irlandesa quer continuar na capital portuguesa? Em cima da mesa, além de Lisboa, há várias opções: Espanha concorre com um pacote triplo — Madrid, Valência e Bilbau -, o Reino Unido vai a jogo com Londres, França concorre com Paris e a Alemanha, além da óbvia Berlim, oferece ainda Munique e Hamburgo.

“Há negociações sobre onde vamos estar no próximo ano e o que eu posso dizer é que essas negociações estão a decorrer”, disse a 15 de maio o diretor de comunicação estratégica do Web Summit, Mike Harvey.

Lisboa concorre, assim, com cidades tão atraentes como ela. Tome nota das vantagens e desvantagens de cada uma e faça as suas apostas: a organização deverá anunciar a localização para 2019 no final de agosto.

No início de julho, o ECO noticiou que o Governo estaria a negociar com a organização do maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo a continuidade do evento por mais 10 anos, numa lógica de cinco fixos mais cinco opcionais. De acordo com o Ministério da Economia, o Governo tem investido 1,3 milhões de euros por ano no evento. Já em termos de retorno, o evento trouxe mais de 300 milhões de euros por ano, só em serviços relacionados com alojamento e transportes prestados aos participantes.

Na moda, a capital portuguesa encheu os olhos da equipa de Paddy Cosgrave desde os primeiros tempos. Mas, a primeira vez que o Web Summit olhou para Lisboa foi por causa da Codacy. A startup liderada por Jaime Jorge saiu vencedora do Beta Award, o concurso de startups que a organização promove durante os dias de evento na edição de 2014, entre outros 199 projetos.

Paddy terá ficado mais atento ao que se passava em Lisboa e esse olhar coincidiu com os primeiros resultados da estratégia do país em constituir-se como um hub de inovação e empreendedorismo na Europa. Entretanto, desde o anúncio, a exposição das startups nacionais tem crescido e multiplicado a abrangência de iniciativas como a Startup Portugal, a estratégia nacional para o empreendedorismo. Outra das vantagens para a organização será o histórico dos eventos que, nos três anos, poucos problemas registaram.

Com o tempo, o Web Summit transformou-se numa enorme montra de Portugal para o mundo. E numa oportunidade de desenvolver a economia do país. “Penso que os responsáveis pelo Web Summit, que mudaram para Portugal a sede da organização, querem cá continuar. E penso que vamos conseguir um bom resultado”, disse o ministro da Economia Caldeira Cabral, em declarações aos jornalistas à margem do evento de apresentação do Startup Portugal+, a renovada estratégia nacional para o empreendedorismo, a 9 de julho.

Quanto ao ecossistema empreendedor português, a favor da escolha temos o desenvolvimento exponencial dos últimos anos: de acordo com dados avançados pela Rede Nacional de Incubadoras (RNI), encarregada de fazer o mapeamento de incubadoras a nível nacional, existiam, em meados de 2018, 135 incubadoras e aceleradoras de empresas em todo o território continental e ilhas. E todos os anos, desde 1990, o número aumenta. Se, no início dos anos 90, a média era de duas novas incubadoras por ano, este número chegou a 15 em 2013 e disparou para 19 em 2016, o ano mais bem-sucedido nesta matéria.

Espanha começou por anunciar, a nível local, a candidatura de Valência mas, entretanto, a estratégia de nuestros hermanos mudou. Na semana passada, e tal como o ECO noticiou, a candidatura espanhola passou a ser feita por três cidades — Valência, Madrid e Bilbau –, em bloco, suportada pelo Governo central e com um argumento de peso: o Mobile World Congress, maior evento de tecnologia de comunicações, em Barcelona, que costuma acontecer no final de fevereiro (a edição de 2019 é entre 25 e 28 desse mês).

Com uma assistência de mais de 107 mil participantes, o congresso é um dos trunfos espanhóis neste duelo ibérico. “O Governo apoia as três candidaturas para trazer para Espanha o maior congresso europeu de tecnologia digital”, segundo a informação à imprensa, acrescentando o “empenho total e apoio institucional” do executivo, sublinhando que Espanha aspira tornar-se numa “referência mundial nas novas tecnologias”, visto que já acolhe o Mobile World Congress anualmente.

Cabify foi criada em Madrid há sete anos.Cabify

Em 2016, Madrid contou com 3,36 mil milhões de euros de financiamento em startups, segundo o Financial Times, tendo a Google e a Amazon reforçado a sua presença na capital espanhola, nos últimos anos. Uma das referências dadas por Madrid para ilustrar a sua “startup scene” é a Cabify, empresa de transportes concorrente da Uber e que, em seis anos de existência, conta com mais de 900 colaboradores e presença em mais de 40 mercados.

Londres segue à frente nos rankings de melhores cidades para criar e fazer crescer startups na Europa. No top 15 do EU-Startups, a capital britânica é a melhor localização possível desde há anos e 2017 não foi exceção. O ranking é organizado com base na presença digital de cada cidade, o que pode ser um dado relevante para o Web Summit, já que o evento quer crescer ainda mais nos próximos anos.

Contra a escolha pode estar o iminente Brexit, que já levou algumas startups a reconsiderarem a sua presença em Londres. Mas, a favor, muitos números que fazem da capital britânica o grande hub tech do velho continente. É que só no Silicon Roundabout, o coração da techscene londrina que começou a desenvolver-se em 2008, há mais de 50.000 empregados, 30 aceleradoras e mais de 2.000 startups.

O ano passado, apesar das perspetivas de Brexit, a economia digital da capital europeia das startups continuou a desenvolver-se a passos largos e, só em 2017, o investimento de venture capital no Reino Unido alcançou o maior valor de sempre: 4,41 mil milhões de dólares, igualando as rondas de financiamento fechadas por startups na Alemanha, Espanha, França e Irlanda… todas juntas.

Paris reúne na cidade cerca de 35% das cerca de 10.000 startups existentes no país. Em 2016, o país contava com 233 incubadoras e 51 aceleradoras. Segundo dados de 2017, as startups francesas levantaram rondas de investimento no valor de 3,185 milhões de euros, em 743 acordos. Além disso, tem instalado na cidade o maior campus para startups do mundo: a Station F conta com cerca de 360 mil metros quadrados de espaço para pensar, criar e desenvolver ideias de negócio.

Outro dos grandes chamarizes para o Web Summit em relação à capital francesa pode ser a existência do La French Tech, estratégia do Estado para o empreendedorismo tecnológico.

A comunidade tecnológica organizada de startups francesas está, desde o ano passado, também em Portugal. Além de Lisboa, La French Tech está em países como o Brasil, os Estados Unidos, África do Sul, Rússia, Espanha e Reino Unido, entre outros.

Berlim é outra das opções que estão na mira da organização do evento de tecnologia e empreendedorismo. A capital alemã é exemplar no que toca à fundação e desenvolvimento de startups, sendo há anos uma das principais referências europeias no que toca a este setor de atividade económica.

Considerada um dos hubs mais fervilhantes da Europa — a cidade conta com mais de 50 aceleradoras e incubadoras, mais de uma centena de espaços de cowork e mais de 500 startups criadas por ano –, Berlim atrai talento do mundo inteiro e, dentro das startups, 43% dos trabalhadores já são estrangeiros. Este fator de atratividade faz da cidade um local aberto e diverso, sendo este um dos principais fatores de atração que o Web Summit poderá considerar na candidatura.

E se, em 2017, as novas empresas do Velho Continente conseguiram 16,1 mil milhões de euros de investimento (de acordo com o State of European Tech Report, da Atomico), só na primeira metade de 2017, investiram-se 1,58 mil milhões de euros em startups na Alemanha: 68% nasceram e vivem em Berlim. “Não há melhor sítio para captar dinheiro na Europa do que em Berlim”, garante Carl-Philipp Wackernagel, da Berlin Partner.

Segundo a Lusa, as cidades alemãs de Hamburgo e Munique também aparecem nas candidatas a acolher o evento. Até ao momento não se sabe de qualquer estratégia concertada do Governo alemão em fazer uma candidatura conjunta.

A possibilidade pode parecer a mais desfasada quando consideradas as anteriores mas, segundo um artigo publicado em março na revista Forbes, o Dubai é o novo “place to be” quando se fala no ecossistema empreendedor tecnológico. Num artigo publicado por um especialista em tendências de Silicon Valley na Ásia, a região do Dubai é o novo “céu” para as startups. O crescimento do golfo é comparado à ascensão de Singapura devido ao “ecossistema emergente” e ao “enorme potencial” além de, tanto a cidade do Dubai como a capital, Abu Dabi, se constituírem como enormes centros de inovação.

Este ecossistema fervilhante é justificado pela forte presença de cidadãos estrangeiros, um garante de inovação (tal como acontece em Singapura): diferentes backgrounds garantem diferentes soluções para problemas existentes. De acordo com um estudo da National Foundation for American Policy, divulgado pelo The Wall Street Journal, 51% dos unicórnios norte-americanos foram fundados por estrangeiros no país: casos como a Uber, a Tesla, o YouTube ou a Google são exemplos disso.

E há mais: ultimamente, os Emirados Árabes Unidos têm feito esforços mais estruturais para atrair e manter talento e startups: o parque de tecnologia Dubai Silicon Oasis é exemplo disso, com programas de apoio para empresas, capital seed e ainda uma “zona livre” de impostos. O que é que o Web Summit dirá desta concorrência de luxo?

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Londres, Berlim, Madrid ou Lisboa. Onde será o Web Summit em 2019?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião