Web Summit: Organização está a negociar com “muitas cidades” para edição 2019

  • Lusa
  • 15 Maio 2018

“Há negociações sobre onde vamos estar no próximo ano e o que eu posso dizer é que essas negociações estão a decorrer", afirmou esta terça-feira o diretor de comunicação estratégica, Mike Harvey.

A organização da conferência de empreendedorismo e tecnologia Web Summit está “em negociações com muitas cidades” para a edição 2019, disse hoje à agência Lusa o diretor de Comunicação Estratégica, Mike Harvey.

Quanto se prepara a última das três edições previstas em Portugal, no âmbito do contrato que admite a realização de mais duas, às perguntas sobre o futuro, o responsável respondeu: “Há negociações sobre onde vamos estar no próximo ano e o que eu posso dizer é que essas negociações estão a decorrer. Estamos em negociações com muitas cidades”.

Para o evento de 2018, que decorrerá entre 5 a 8 de novembro, novamente no Parque das Nações (Lisboa), a organização espera cerca de 70 mil pessoas, mais 10 mil do que no ano passado e garante que haverá condições para receber toda a gente.

“Sim, conseguimos trabalhar com o espaço que temos: a Altice Arena, a FIL, que são ambos locais fantásticos. Podemos trabalhar, de forma criativa, para garantir que todos cabem e que todos têm uma experiência ótima”, garantiu à Lusa.

Harvey manifestou-se ainda certo de que mais países vão estar representados, esperando-se que estejam mais de 170 nacionalidades presentes em Lisboa.

Nos objetivos da organização estão um maior número de mulheres dentro e fora dos palcos, bem como de jovens e o aprofundar do trabalho para possibilitar a presença de ‘startups’ portuguesas na conferência.

Dos primeiros nomes revelados, Harvey destacou a presença de presidentes executivos de ‘gigantes’ seguradoras e companhias aéreas, recordando que, no passado, já marcaram presença representantes destes setores, mas em 2018 há nomes com “posições de relevo”.

O responsável notou que sobem ao palco da Web Summit os setores “cujo curso normal está a ser interrompido pela tecnologia” e que voltarão a ser discutidos os desafios e as oportunidades que a tecnologia traz.

No total serão 1.200 oradores, lembrou Mike Harvey, garantindo que se seguirão “muitas surpresas” à semelhança do que se tem passado, incluindo o inesperado discurso do físico Stephen Hawking na abertura da edição de 2017.

Mas os nomes agora anunciados, como Young Sohn, presidente da Samsung Electronics, John Collison, cofundador da Stripe, e Devin Wening, presidente executivo (CEO) do eBay, são de personalidades que nunca estiveram no palco da conferência. “Evan Williams, cofundador do Twitter [rede social] e CEO do Medium, é uma figura muito significativa e fala muito raramente na Europa”, sublinhou.

Questionado sobre a estratégia para garantir estes oradores de renome, Harvey afirmou “não querer revelar muitos segredos”.

“Nós pedimos de forma muito respeitosa e os oradores percebem que a Web Summit é uma oportunidade extraordinária de alcançar uma audiência muito grande”, acrescentou.

Nos planos da organização estão “mais dois ou três novos palcos, “mas que ainda são segredo atualmente”, tal como ainda não pode ser desvendado o local da Surf Summit, que tem decorrido na Ericeira.

Segundo a organização, na segunda edição do evento em Portugal, em 2017, participaram 59.115 pessoas de 170 países, entre os quais mais de 1.200 oradores, duas mil ‘startups’, 1.400 investidores e 2.500 jornalistas.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa por três anos, com possibilidade de mais dois de permanência na capital portuguesa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Web Summit: Organização está a negociar com “muitas cidades” para edição 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião