Booking e Web Summit unem-se pela igualdade de género

Web Summit e Booking.com acabam de anunciar uma parceria exclusiva que resultará num programa de mentoria e networking para empreendedoras, na edição deste ano da maior feira de tecnologia do mundo.

A luta pela igualdade de géneros acaba de unir a maior feira de tecnologia do mundo — o Web Summit — a uma das plataformas de reserva de alojamento líder a nível mundial, o Booking.com. A parceria resultará na dinamização de um programa de mentoria e networking, no seio do “Women in Tech” (campanha exclusivamente dedicada às empreendedoras promovida desde há três anos pelo evento de Paddy Cosgrave).

“A parceria com o Booking.com ajudar-nos-á a oferecer mais oportunidades para o talento feminino no setor tecnológico que participe nos nossos eventos para criar contactos e aprender com alguns dos empreendedores mais bem-sucedidos da indústria”, salienta em comunicado o irlandês fundador do Web Summit.

Esta colaboração permitirá assim expandir o programa de mentoria para empreendedoras, que já no ano passado tinha sido promovido. Neste âmbito, na edição de 2017 desta feira, mais de 200 participantes foram acompanhadas por 60 grandes nomes do setor tecnológico. O objetivo será agora envolver mais mulheres e trazer mais mentores para o programa.

Gillian Tans participou o ano passado como mentora no programa que agora ajudará a expandir.Stephen McCarthy/Web Summit via Sportsfile

“Estamos entusiasmados por esta parceria com o Web Summit para dar resposta à grande procura e envolvimento que vimos em 2017 e para continuar os nossos esforços no sentido da luta pela diversidade de géneros na tecnologia”, considera Gillian Tans, CEO do Booking.com.

O programa “Women in Tech” foi lançado há três anos de modo a promover a participação feminina no evento, que acontecerá este ano — pela terceira vez — em Lisboa. A feira está marcada para a semana de 5 a 8 de novembro na FIL e no Altice Arena.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Booking e Web Summit unem-se pela igualdade de género

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião