António Costa: “Para alimentar a inovação não basta termos o Web Summit”

  • Juliana Nogueira Santos
  • 20 Abril 2018

Na apresentação do novo acelerador de startups da Farfetch, António Costa insistiu no reforço dos esforços para alimentar a inovação e o empreendedorismo.

O primeiro-ministro esteve presente na apresentação do Dream Assembly da Farfetch.Paula Nunes/ECO

No dia em que a Farfetch apresentou o seu acelerador de projetos na área do retalho de moda, o Dream Assembly, o primeiro-ministro deixou claro que há mais a fazer no campo na inovação nacional e que o caso da empresa fundada pelo português José Neves não pode ser exclusivo.

“Aquilo que é muito claro é que se nós queremos alimentar este ciclo de inovação, não nos basta ter anualmente o Web Summit em Portugal”, assinalou o primeiro-ministro no evento. “O Web Summit é excelente, é uma grande montra, uma grande oportunidade, mas muito mais importante é ter a capacidade de continuar, de uma forma sustentável, aquilo que permitiu termos um ecossistema como temos.”

O tema do talento esteve em cima da mesa, com o primeiro-ministro a afirmar que tem de se investir na educação, no acesso ao ensino superior e na atração de talento, indo “à procura dele onde ele está”. António Costa firmou assim como bom exemplo o da Farfetch, que tem escritório espalhados por todo o mundo e por todo o país — Porto, Lisboa, Guimarães e Braga.

“A ideia de que tínhamos licenciados a mais foi das coisas mais dramáticas que aconteceu no país”, continuou o governante, seguindo o raciocínio do que é preciso formar mais e com mais qualificações. “Nós temos é, porventura, trabalhos qualificados a menos para a quantidade de licenciados que temos no país“.

António Costa e José Neves à conversa no evento de apresentação do Dream Assembly.Paula Nunes/ECO

Já relativamente à empresa, o primeiro-ministro aplaudiu a iniciativa de “passar para outro nível”, visto que “deixa de ser simplesmente uma plataforma para ser uma agregadora de ideias, projetos e novas empresas”. “A Farfetch não quer ser exclusiva naquilo que faz, quer ajudar a tornar as empresas naquilo que a Farfetch se tornou”, apontou ainda.

E com a empresa já com sete rondas de investimento fechadas e a contar com a presença de mais de mil empresas em quarenta países do mundo, Costa afirmou ainda: “A Farfetch é um excelente indicador de que para estar na linha da frente é preciso inovar e descentralizar”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa: “Para alimentar a inovação não basta termos o Web Summit”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião