Um ano de Startup Portugal. O que mudou?

Estratégia criada em parceria com o Governo é liderada pelo alemão Simon Schaefer. Esta quarta-feira comemora um ano com um evento no Hub do Beato, em Lisboa.

Um ano depois, há menos gravatas no Beato. “Este dia é não só de comemoração, mas de mobilização da comunidade empreendedora, de todo este ecossistema. Talvez estejamos no melhor sítio que firma o compromisso da cidade, do país e da Europa, com o ecossistema”, disse Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, o primeiro a subir ao palco para falar do primeiro ano da Startup Portugal.

Manuel Caldeira Cabral na comemoração do primeiro aniversário da Startup Portugal.Paula Nunes / ECO

A associação, responsável pela dinamização da estratégia nacional para o empreendedorismo e liderada pelo alemão Simon Schaefer, cumpre um ano de trabalho. A equipa, que conta agora com nove pessoas (arrancou com quatro, há um ano), prepara-se para alargar a presença a mais dois pontos do país, com a abertura de dois novos escritórios: um no hub do Beato, em Lisboa, e o outro no Porto.

Há um ano, a Startup Portugal era um projeto, agora é uma realidade.

Manuel Caldeira Cabral

Ministro da Economia

“Vamos abrir dois novos escritórios, um em Lisboa e outro no Porto, e ter espaços de soft landing para startups portuguesas e de todo mundo”, esclarece Simon Schaefer, diretor da Startup Portugal.

“Há um ano andámos à procura de onde estavam os empreendedores para criar sinergias: criámos a rede nacional de incubadoras”, disse João Borga, diretor da Rede Nacional de Incubadoras.

Uma das novidades anunciada em palco foi a nova call aberta do Vale de incubação, com candidaturas já online. O programa Semente, anunciado pelo Governo e de apoio à formação de empresas, arranca com nova edição no início de 2018.

Friends with benefits

Ana Lehmann e Pedro Matias.Paula Nunes / ECO

“Startups e empresas têm grande margem e potencial para trabalharem juntas”, acrescentou esta tarde a secretária de Estado da Indústria, Ana Lehmann. “Trata-se de estabelecer um elo de conectividade para expandir o ecossistema. “Não estamos a reinventar a roda, isto não é novo, mas precisamos de intensificar o processo”.

A maior parte das empresas acha que a inovação mais importante não vem de dentro, por isso a inovação deve vir de fora, das startups. Da maneira como as coisas são feitas, emanam sobretudo das startups. E as grandes empresas estão atentas a estas realidades, a estes elementos. As startups lideram a inovação porque não estão dentro das burocracias e de outros processos que atrasam a disrupção”.

“Tínhamos de construir um novo futuro e por isso construímos a Startup Portugal”, justificou ainda Manuel Caldeira Cabral, ministro da Economia. “Sabíamos que faltavam incentivos de vários tipos e, por isso, continuamos a fazer um enorme esforço para captar investidores estrangeiros, não porque trazem dinheiro mas sobretudo porque trazem conhecimento.”

“Isto não é sobre ideias. É sobre produtos, takeovers, exportação. E lembrem-se: a música está a tocar, e nós a dançar”.

Novas candidaturas

O primeiro ano da Startup Portugal assinalou ainda o arranque de novas edições dos programas anunciados há um ano. É o caso do Programa Semente, que está a aceitar novas candidaturas. Elegíveis são empresas portuguesas com menos de cinco anos. O programa cria um regime fiscal mais favorável para investidores interessados em entrar para o capital social das startups com montantes que podem estar entre os 10.000 e os 100.000 euros: os benefícios podem ir até 40% da coleta anual de IRS e até 75% do montante investido, durante os três anos sucessivos ao investimento.

Também o Vale de Incubação abriu nova call: a iniciativa está entre as medidas desenhadas para apoiar empreendedores, incubadoras e investidores e o seu apoio pode ir até 5.000 euros e destina-se a startups em fase de arranque, para fazerem frente a despesas de incubação e contratação de serviços como contabilidade e fiscalidade, marketing ou formação em gestão. O vale pode ser gasto durante um ano numa das 135 incubadoras da Rede Nacional de Incubadoras. Entre os empreendedores elegíveis a este Vale estão portugueses e estrangeiros que tenham criado a sua empresa em Portugal há menos de cinco anos. As candidaturas decorrem até final de outubro.

Notícia atualizada às 18h52 com declarações de Manuel Caldeira Cabral. Atualizada a 5 de outubro às 10h30 com mais informação sobre os novos programas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Um ano de Startup Portugal. O que mudou?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião