Empreendedorismo, um ecossistema com mais de 2400 startups

  • ECO + PT EMPRESAS
  • 6 Outubro 2017

Investimento público, boas condições de vida e um ambiente entusiasmante. Será isto que faz do ecossistema empreendedor português um dos melhores do mundo?

É já sabido e partilhado aquém e além mar que se tem desenvolvido em Portugal uma atmosfera propícia para os novos empresários, aqueles que trocaram os escritórios pelos espaços de cowork e os sapatos de verniz pelas sapatilhas. E se as palavras valem muito, os dados valem mais e corroboram tais dizeres: o ecossistema de startups português está a florescer alicerçado em casos reais e numa inequívoca capacidade para atrair talento.

O choque que este novo ecossistema está a gerar no próprio tecido empresarial dito “standard” não é desprezível bem como a contribuição para uma crescente cultura de transformação digital no contexto económico português.

Segundo dados da Startup Portugal, nos últimos 12 meses foram criadas 584 novas startups sendo que, não é por serem novas que não geram empregos. Cada startup, no seu primeiro ano de vida, cria em média 2,2 postos de trabalho. O peso dos novos empregos no total nacional é cada vez mais alto, ao mesmo tempo que a taxa de desemprego retrai e se fixa em valores abaixo de 10%. De acordo com a mesma informação, 46% dos novos empregos foram gerados por empresas com menos de cinco anos. Por outro lado, ao nível das startups assiste-se à utilização cada mais otimizada de serviços de outsourcing, data center e de soluções que facilitam o desenvolvimento do quotidiano dos negócios.

 

E não será apenas pelo sol e pela boa comida que os empreendedores se querem fixar no nosso país: para além dos vários programas privados de aceleração e incubação, já foram investidos mais de 140 milhões de euros de fundos públicos, em parcerias com venture capitalists e business angels.

A tudo isto acresce uma oferta de serviços crescentemente sofisticada assente em tecnologia Machine to Machine (ou M2M, trata-se de uma solução que permite a comunicação entre máquinas sem intervenção humana) e Internet of Things (ou IoT, diz respeito a uma rede que reúne e processa informação que permite gerar grande quantidade de dados). Estas duas tecnologias constituem como factores aceleradores de crescimento e sucesso dos novos negócios e das novas estruturas empresariais.

É o caso do StartUP Voucher, um programa de apoio à incubação de empresas que funciona como crédito a gastar para a contratação de serviços que já foi pedido por cerca de 500 projetos. Entre estes, foram aprovados 245. O mesmo acontece com o StartUP Vale Incubação, um apoio à incubação de novos projetos que, das 115 candidaturas, deu luz verde a 93.

 

92.090 km2 de oportunidades

Os 92.090 km2 que constituem o nosso país albergam 121 redes nacionais de incubadoras e mais de 2.300 startups incubadas. E não se pense que é só na capital que se expande o ecossistema português. Dos 409 empreendedores que receberam o apoio da StartUP Voucher, 170 eram da região Norte, 116 da região Centro e 94 de Lisboa e Vale do Tejo.

Estes tipos de investimentos locais no empreendedorismo são muito bons de ver porque não vemos muitos sítios da Europa a atrair tal número de projetos e entusiasmo.

Anand Kulkarni

Empreendedor e mentor da European Innovation Academy

Para além disto, e segundo dados do Startup Europe Partnership, o ecossistema empreendedor português cresce o dobro da média europeia, visto que, no ano passado, foram captados mais de 350 milhões de dólares em financiamento, um aumento de 38% face ao ano anterior.

Em entrevista ao ECO, Anand Kulkarni, fundador de duas empresas e mentor da European Innovation Academy, afirmou-se curioso com o surgimento deste novo ecossistema, garantindo que há poucos que se assemelhem. “Estes tipos de investimentos locais no empreendedorismo são muito bons de ver porque não vemos muitos sítios da Europa a atrair tal número de projetos e entusiasmo”, clarifica Kulkarni. “Assim, vamos começar a ver grandes projetos a crescer a partir do ecossistema e isso demora mas, ao mesmo tempo, funciona como um catalisador para outros empreendedores.”

É sobre estes solos férteis que se tem desenvolvido o ecossistema empreendedor português, com certezas de que os frutos não ficarão por aqui.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Empreendedorismo, um ecossistema com mais de 2400 startups

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião