Wired: Estas startups portuguesas estão entre as mais ‘hot’ da Europa

  • ECO
  • 8 Setembro 2017

A ‘Wired’, publicação de tecnologia, ciência, entretenimento, design e negócios, destacou 10 startups portuguesas e elegeu Lisboa como uma das mais importantes capitais para startups.

A revista Wired incluiu dez startups portuguesas na sua lista Europe’s 100 Hotest Startups e elegeu Lisboa como uma das mais importantes capitais de startups, dedicando uma reportagem à cidade, publicada num especial que acompanha a edição destes mês da revista norte-americana.

Na lista da Wired das 100 startups mais sexy da Europa, surgem a Attentive, a Zaask, a Misk, a Landing.jobs, a Mellow, a Chic by Choice, a SWORD Health, a Uniplaces, a Feedzai e a Unbabel.

Attentive

Fundada por Pedro Araújo, Luís Braga e Daniel Araújo (antigo engenheiro da Google), a Attentive é uma ferramenta informacional de assistência às equipas de venda. Funciona integrando ferramentas de Customer Relationship Management (CRM) — tais como Salesforce e Hubspot — e envia alertas sobre os seus clientes e concorrentes.

Chic by Choice

Fundada em 2012 por Filipa Neto e Lara Vidreiro, a Chic By Choice fornece um serviço de aluguer de roupa de luxo, numa lógica de economia de partilha aplicada à moda. Filipa Neto, em declarações à Wired Retail 2016, disse acreditar que o futuro estará precisamente aqui, numa “rotação de guarda-roupas”.

Feedzai

A Feedzai foi fundada por Nuno Sebastião, Paulo Marques e Pedro Bizarro em 2009 e é capaz de detetar fraudes em transações comercial em tempo real, através da examinação de pagamentos e ao sinalizar comportamentos suspeitos.

Landing.jobs

A Landing.jobs, fundada por José Paiva e Pedro Oliveira, ao fazer a análise de ofertas de trabalho e do talento disponível, realiza o matching entre profissionais tecnológicos e empresas à procura de talento para os seus quadros.

Misk

A Misk é uma rede social destinada aos amantes da comida e trata-se de uma aplicação ao estilo do Instagram, que permite aos seus utilizadores partilhar recomendações para mais de 3.500 restaurantes e bares. Foi criada pelos alumnus da Google Madalena Rugeroni, Sofia Pitta e Daniela Rosa, em 2016.

Mellow

Iniciativa criada por Catarina Violante e José Pedro Ferreira, a Mellow criou uma máquina de cerca de 335€ de cozinha a vácuo controlável via smartphone. Os seus utilizadores podem programá-la para cozinhar numa temperatura e tempo específicos.

SWORD Health

Trata-se de uma startup de medtech que usa inteligência artificial e funcionalidades de monitorização para digitalizar o movimento humano, fornecendo feedback em tempo real aos pacientes durante a sua reabilitação física. Pode ser utilizada em casa sem supervisão, com a possibilidade de os médicos fornecerem feedback à distância. Foi fundada por Virgílio Bento em 2013.

Unbabel

Criada em 2013 por Vasco Pedro, João Graça, Sofia Pessanha, Bruno Silva e Hugo Silva, a Unbabel ocupa-se da tradução online de conteúdo para o Pinterest, Skyscanner Under, Armour, Trello e Oculus. Recorre à aprendizagem mecânica e a 50.000 trabalhadores para traduzir texto.

Uniplaces

Fundada por Miguel Amaro, Ben Grech, Leo Lara e Mariano Kostelec em 2012, esta plataforma online de alojamento para estudantes disponibiliza vídeos de visita às suas propriedades – dispensando assim uma visita presencial – e faz a ponte entre o arrendatário e o senhorio. Tem mais de 40.000 propriedades em 15 cidades ao longo da Europa.

Zaask

A Zaask é uma plataforma destinada a realizar a correspondência entre empresas e os profissionais aptos para o trabalho que estas pretendem contratar. Através do site, os profissionais freelancers podem candidatar-se a oportunidades de trabalho e autopromoverem-se ao criarem um perfil no qual podem incluir o respetivo portfolio. Luís Martins, formado em Economia pela Universidade Católica Portuguesa, foi a mente por detrás do projeto, iniciado em 2012.

Lisboa, “uma cidade vibrante e histórica”

Para a revista, a crescente relevância de Lisboa explica-se pelo facto de se tratar de uma cidade global, onde se fala inglês de forma fluente, com 42% dos residentes a falar duas línguas e 23%, três, e onde 62% do investimento vem do exterior. Menciona também a força de trabalho qualificada e o metro quadrado para espaço de escritório barato, em comparação com outras capitais europeias.

A chegada da Web Summit — um dos eventos mais sonantes de tecnologia e startups a nível mundial — a Lisboa também é referido como uma enorme oportunidade para consolidar e impulsionar a estratégia da cidade e de Portugal como um verdadeiro centro de inovação mundial.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wired: Estas startups portuguesas estão entre as mais ‘hot’ da Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião