Incubadas da Startup Lisboa vão testar produtos em nova loja na Baixa

  • Lusa
  • 7 Setembro 2017

Empresas da área do comércio instaladas na incubadora de empresas Startup Lisboa vão poder testar os projetos e potenciar a venda dos seus produtos numa loja agora inaugurada na Baixa lisboeta.

“A maior parte dos projetos que nós incubamos tem uma base tecnológica, muito virados para o digital e para o ‘online’, mas isso não dispensa, de modo nenhum, que tenham também uma presença física e elas [as empresas] percebem também a importância”, disse à agência Lusa, o diretor da Startup Lisboa, Miguel Fontes.

Frisando que nalguns casos isso “justifica-se mais”, o responsável explicou que o objetivo deste espaço físico é “dar a conhecer o produto” e “fazer teste de conceito”.

“Ainda por cima, tirando proveito da nossa localização, que é uma localização altamente privilegiada, porque estamos na Rua da Prata e na zona histórica da cidade”, notou.

De portas abertas desde segunda-feira, mas hoje apresentada à imprensa, a loja de 60 metros quadrados situada no número 86 na Rua da Prata tem, para já, três ‘startup’ instaladas, da área da moda, dos acessórios e da roupa de praia: a Freakloset, a Pop the Bubble e a Vertty.

A ideia de a Startup Lisboa passar a disponibilizar às suas incubadas, nomeadamente àquelas que trabalham na área do comércio, uma loja física prende-se com a melhoria da nossa oferta e com a valorização dos serviços que pomos à disposição das nossas incubadas.

Miguel Fontes

Startup Lisboa

Segundo o diretor da incubadora, o modelo de arrendamento é “variável e flexível”.

“Menos do que um mês não é interessante para dar às marcas porque estas têm de fazer a customização do espaço e operacionalizá-lo com recursos humanos, mas poderá ir até três meses”, assinalou Miguel Fontes, indicando que a permanência será ajustada em função da procura.

“Nós queremos que, sendo um espaço interessante, possa estar ao serviço de um maior número de projetos possível”, salientou.

Apoiada pela Câmara Municipal, a Startup Lisboa tem também como membros fundadores a Agência para a Competitividade e Inovação (IAPMEI) e o banco Montepio.

No espaço onde vai funcionar a loja, estava instalada uma agência do Montepio, entretanto encerrada, pelo que o espaço foi cedido sem qualquer custo.

A Startup Lisboa teve de fazer obras, mas foram “relativamente simples”, assentes na limpeza, na pintura e na verificação das instalações elétricas, num investimento “reduzido”, segundo Miguel Fontes. Quando não houver procura por parte das empresas incubadas, a loja estará disponível para outras marcas que ali queiram vender os seus produtos.

A loja será, assim, uma fonte de financiamento da Startup Lisboa, associação privada sem fins lucrativos, que ali vai ainda promover a sua linha de ‘merchandising’.

As rendas cobradas são diferentes para entidades que estão ou não incubadas, sendo que, para as que estão, o desconto é de 60% face ao preço de mercado, que ronda os 4.000 euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incubadas da Startup Lisboa vão testar produtos em nova loja na Baixa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião