Startup portuguesa Knok lança consultas médicas por videochamada

Aplicação conhecida por permitir chamar um médico ao domicílio tem agora uma nova funcionalidade: as consultas em vídeo. Cada uma custa 20 euros, e dá direito a desconto em consulta presencial.

Não é totalmente descabido chamar-lhe a Uber dos médicos. No entanto, agora, a Knok é muito mais do que isso. Ao invés de só permitir chamar um médico ao domicílio, também já permite pedir uma consulta em vídeo se o problema não for assim tão grave.

As consultas em vídeo são a nova aposta desta ferramenta inovadora made in Portugal e vão custar 20 euros. Depois, caso seja mesmo necessária a presença do médico em sua casa, só “pagará metade” da consulta presencial, avançou a empresa num e-mail enviado aos clientes.

“Porquê vídeo? Porque em situações menos graves, com sintomas que não justifiquem uma consulta presencial ou estando, por exemplo, fora de casa ou no estrangeiro, conseguiremos ser mais rápidos a responder e dar-lhe acesso mais facilitado ao seu médico. O seu médico Knok estará sempre consigo, no seu smartphone”, indica a mensagem.

A empresa sublinha que esta nova funcionalidade é introduzida “no momento em que a Saúde vive um dos seus períodos mais complexos”. A Knock disponibiliza-se a ser “parte da solução”, evitando deslocações desnecessárias às urgências hospitalares e “permitindo aos nossos médicos focarem-se naquilo para que estudaram e que gostam realmente de fazer: tratar quem está doente, melhorando a saúde de quem precisa”.

Até aqui, a Knok era conhecida por permitir aos pacientes chamarem um médico que estivesse nas redondezas. Esta continuará a ser a principal função do aplicativo, à qual se junta agora as consultas por videochamadas. A app pode ser descarregada em telemóveis Android ou em iPhones.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup portuguesa Knok lança consultas médicas por videochamada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião