Knok fecha ronda de financiamento de 337 mil euros

A startup portuguesa Knok acaba de fechar uma ronda de financiamento seed de 300 mil libras para começar expansão internacional.

A startup portuguesa Knok fechou uma ronda de financiamento seed no valor de 337 mil euros, liderada pela londrina Mustard Seed. A plataforma disponibiliza serviços médicos ao domicílio através de uma aplicação cujo sistema é semelhante ao da Uber. Com o investimento de mais de 330 mil euros (300 mil libras), a Knok pretende expandir o negócio em Portugal e investir em novos mercados.

Lançada em 2015, a startup oferece consultas médicas de clínica geral ou especialidade ao domicílio, a um preço fixo de 49 euros.

A ideia de negócio surgiu quando José Bastos, confrontado com a necessidade de encontrar um médico para tratar do filho, imaginou a possibilidade de haver uma aplicação que facilitasse a relação entre médicos e pacientes. A Mustard Seed é um fundo de capital de risco que investe em projetos em early stage que gerem retorno social e financeiro.

“Se tivemos a oportunidade de investir num negócio que tem impacto social positivo, apostamos. Estamos muito orgulhosos de a Mustard Seed ser a primeira entidade estrangeira a fazer um investimento de impacto em Portugal”, diz Henry Wigan, diretor de investimento da Mustard Seed e ex BlackRock e Goldman Sachs.

Já José Bastos, CEO da Knok, afirma que “é um passo importante para o nosso objetivo de um serviço de cuidados de saúde de qualidade top, personalizado e acessível, que também se desenha como uma fonte adicional de compensação para médicos em início de carreira, que são muitas vezes mal pagos pelas opções laborais existentes”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Knok fecha ronda de financiamento de 337 mil euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião