Depois de navios, Portugal lança startups, escreve a Bloomberg

Portugal é o melhor lado da Europa e terra de oportunidades fora do Reino Unido, escreve a Bloomberg.

“Há qualquer coisa nova na pequena nação que extravasa a economia estagnada e o stress da indústria financeira”, escreve a Bloomberg. A agência de notícias internacional sublinha assim o potencial empreendedor de Portugal que, depois de ter “lançado navios” nos Descobrimentos, agora “lança startups”.

Portugal tem hoje destaque — numa altura em que a Startup Lisboa, um dos catalisadores do ecossistema, cumpre cinco anos (a 2 de fevereiro) — afirmando-se como o país-alternativa ao Reino Unido para onde, entre 2011 e 2016, foram metade dos investimentos feitos em startups de fintech na Europa.

O trabalho, garante a reportagem, tem sido feito, não só pelas instituições envolvidas e pelo Governo mas numa confluência entre os setores público e privado. Universidades, fundos de investimento, empreendedores e multinacionais têm trabalhado “a arte do empreendedorismo”, ao mesmo tempo que afirmam Lisboa como uma capital bem mais barata do que Londres, “uma das mais caras cidades do mundo”.

Este desenho de Matt Chase ilustra o artigo da Bloomberg.
Este desenho de Matt Chase ilustra o artigo da Bloomberg.D.R.

Talvez por isso, a Bloomberg considere que Portugal pode apresentar-se como uma alternativa viável ao êxodo de Londres, um cenário ponderado no pós-Brexit. “A perda do acesso ao mercado único europeu pode dificultar a estratégia e os planos de crescimento dos fundadores que se habituaram a ver no Reino Unido a melhor maneira de se expandirem na Europa”, explica o artigo.

Em vez de trabalharmos 18 horas por dia para outra pessoa, fizemos um projeto cool para nós. Tivemos uma alternativa.

Jaime Jorge

Fundador da Codacy

Entre amigos

O Fórum Económico Mundial destacou esta semana Lisboa como uma das dez cidades mais amigas das startups. Num vídeo publicado no Facebook, Lisboa surge em 5º lugar na lista de melhores cidades para se começar uma empresa. E a justificação é simples: “Os salários são baixos, o custo do espaço para escritórios é acessível e há talento disponível”, explica o FEM, sublinhando que “Lisboa é um elemento particularmente interessante da lista na medida em que só passaram alguns anos desde que Portugal esteve mergulhado numa profunda crise financeira”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de navios, Portugal lança startups, escreve a Bloomberg

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião