Startup portuguesa Uniplaces em destaque na BBC

A empresa de Miguel Santo Amaro mereceu destaque da BBC esta segunda-feira. Num extenso artigo, a cadeia britânica de televisão conta como uma ideia de três estudantes se transformou num negócio.

Mariano Kostelec, Ben Grech e Miguel Santo Amaro fundaram a Uniplaces há cinco anos.Fotografia: Marisa Cardoso

A Uniplaces voltou a reunir capital… mediático. A startup de origem portuguesa esteve em destaque na BBC esta segunda-feira, num extenso artigo que conta a história da empresa de Miguel Santo Amaro, Ben Grech e Mariano Kostelec. Em 2011, os três jovens começaram a trabalhar em conjunto numa casa em Ponte de Lima, desenvolvendo o site e o modelo de negócio desta companhia que emprega, atualmente, 132 pessoas.

A cadeia de televisão britânica explica também a história da Uniplaces ao longo destes mais de cinco anos de atividade, até chegar à quarta e última ronda de financiamento, em 2016, no valor de 24 milhões de dólares, ou cerca de 22,4 milhões de euros. A Uniplaces opera no segmento do alojamento para estudantes universitários e, segundo a BBC, o capital angariado tem sido usado para, sobretudo, financiar a expansão do negócio e contratar novos colaboradores.

“Queríamos ser uma startup global e, por isso, rapidamente lançamos [o negócio] em 70 cidades”, disse Miguel Santo Amaro, empreendedor português, à BBC. Não foi boa ideia, pois a empresa não foi capaz de verificar todos os quartos e propriedades incluídos na plataforma. Assim, em 2016, a Uniplaces reduziu para seis cidades e, agora, já opera plenamente em 15 cidades europeias, incluindo Lisboa, Coimbra e Porto.

No ano passado, a Uniplaces quadruplicou as receitas. Como explica a BBC, a empresa aposta num modelo de negócio em que ganha à comissão: recebe entre 20 a 25% da primeira renda paga pelo estudante e, após isso, uma fatia de 5 a 12% de todo o valor do contrato do arrendador. A primeira renda é sempre paga através do site da Uniplaces, enquanto as restantes são pagas diretamente ao proprietário.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup portuguesa Uniplaces em destaque na BBC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião