“Eu não acredito nisso, mas…”: As superstições dos empreendedores portugueses

No dia do "azar", perguntámos aos empreendedores portugueses o que fazem para chamar a sorte nos momentos decisivos. Dos que acreditam e seguem à risca rituais aos mais céticos, fica a ideia. Há azar?

trevo-quatro-folhasA caneta da sorte para assinar um novo contrato, uma peça de roupa como amuleto ou um hábito herdado dos avós, podem ser variadas as formas de chamar a sorte — ou afastar o azar — quando a situação assim merece. Nesta sexta-feira dia 13, dia de azar por excelência, o ECO quis saber quais são os truques utilizados por alguns empreendedores portugueses para canalizar toda a boa sorte ou, se essas coisas da sorte e do azar não são para eles.

“Pessoalmente acho que não há nada que dê mais sorte do que motivação e espírito positivo”, conta Cristina Fonseca, co-fundadora da Talkdesk. A engenheira de telecomunicações, que criou a startup que cria call centers em cinco minutos admite, no entanto, que a sorte faz-se de muita coisa. Mas há dias em que parece falta. “Era ponto assente: se havia coisa para correr mal, isso acontecia sempre à sexta-feira. Coincidência ou não, era quando queríamos sair que as coisas se precipitavam”, afirma.

Pelo sim…

Rafic Daud, co-fundador da marca de sapatos 100% portugueses Undandy, sente que mais do que sorte ou azar, “acreditar em algo, é suficiente para criar um condicionamento psicológico suficiente e as coisas acontecerem”. Ainda assim, não descora o elemento sorte e traz já dos tempos de estudante uma superstição curiosa: “Tento sempre, no dia anterior a uma decisão importante jogar à bola. Mais do que um processo físico, é um processo psicológico de libertação.”

O hábito do futebol vem de 1996, ano em que Rafic fez o exame nacional de matemática para acesso ao ensino superior: “Lembro-me que joguei à bola no dia antes do exame de matemática e parti o pé. Foi um desespero. Fui para o exame de canadianas e era o exame mais importante que tinha até à data.” O pé partido ajudou e acabou por ter a segunda nota mais alta do país.

“Desde então tenho vindo a manter sempre que possível, às vezes estou no estrangeiro não é possível, o ritual de antes de tomar uma grande decisão jogar à bola.”

As tradições dos desportos, que vemos quando os jogadores entram em campo e se benzem ou beijam o chão, também se podem transportar para o dia-a-dia — ou para a vida empresarial. Assim fez o responsável pelo projeto “Às de Copos”, Miguel Tojal : “Se estiver a pensar nisso, é sempre o pé direito à frente”.

corredor

Antigo jogador de rugby e frequente jogador de futebol, Miguel exportou o hábito de entrar em campo com o pé direito. Em relação ao azar e à fama do dia de hoje, Miguel não teme: “Eu gosto da sexta-feira 13, para mim até é um dia de sorte!”

A confiança é, segundo Lara Vidreiro, uma sorte que se constrói, e o ponto de partida para que tudo corra… bem. Para isso, a cofundadora da startup Chic By Choice, de aluguer de vestidos de luxo, tem o mantra no guarda-roupa: os vestidos, peça de eleição, são o garante de que vai tudo correr… bem. Pelo menos, no que depender dela. “Acredito que a preparação é fundamental e dá muito mais sorte do que um vestido como amuleto. Mas sinto-me confortável de vestido e isso dá-me confiança. Ainda que isso não seja uma superstição”, garante.

Pelo não…

Para Luísa Almeida, a sorte é muito importante, “mas sem trabalho não serve para nada”. A fundadora da empresa de cabazes biológicos Quinta do Arneiro não acredita que as superstições ou os amuletos tenham impacto no negócio. E ainda bem para ela: “Se tivesse algum objeto da sorte, esquecia-me sempre de o levar”, avalia.

Já para Miguel Ribeiro, responsável da Zomato para o mercado europeu, a superstição não é uma questão de dias específicos. “Provavelmente, será uma superstição hereditária, que a minha avó me passou. Cada vez que colocam dinheiro (ou uma carteira) numa cama, ou sapatos, peço para tirar logo, porque a minha avó dizia que dava azar. O mesmo se passa quando vejo chinelos ou sapatos em casa, virados com a sola para cima. Ou ainda com o cruzar de apertos de mão”, confessa, em conversa com o ECO.

Entre apertos de mão e negócios fechados, Pedro Oliveira, cofundador da empresa de ofertas de trabalho em tecnologia landing.jobs, não tem dúvidas: depois da sorte — e dos bons resultados — não falta um brinde de comemoração, sem nunca cruzar as pernas enquanto brinda. Afinal… a sorte faz-se.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Eu não acredito nisso, mas…”: As superstições dos empreendedores portugueses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião