Casino de Ponta Delgada abre “dentro de poucas semanas”

  • Lusa
  • 10 Janeiro 2017

O casino dos Açores vai contar, no arranque, com 35 colaboradores. Falta instalar os sistemas do Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos.

O casino de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, nos Açores, vai iniciar atividade “dentro de poucas semanas”, faltando apenas chegar o “último lote de equipamento”. O anúncio foi feito, esta terça-feira, pela empresa responsável pela concessão do casino.

"O casino contará, no arranque, com 35 colaboradores.”

Vânia Paim

Administradora da Romanti Casino Azores

“O casino de Ponta Delgada iniciará a sua atividade dentro de poucas semanas e contará, no arranque, com 35 colaboradores“, disse à agência Lusa a administradora da Romanti Casino Azores, Vânia Paim. Está também a ser terminada a instalação dos sistemas de gestão e do sistema do Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos, adianta ainda a administradora da Romanti Casino Azores.

A Romanti é a única empresa autorizada pelo Governo Regional a assumir a posição de concessionária da exploração, em exclusivo, de jogos de fortuna ou azar na ilha Terceira, com uma sala de máquinas de jogo, e, na ilha de São Miguel, com um casino.

A possibilidade de serem explorados jogos de fortuna ou azar nos Açores remonta a 2003, quando foi celebrado o primeiro contrato com a Atlântida Sociedade de Turismo e Animação. Contudo, esse contrato não foi concretizado e o processo tem vindo a arrastar-se desde então.

Em 2014, o Governo dos Açores decidiu alterar as condições do contrato e passou a posição contratual da concessionária para a empresa Romanti Casino Azores. O calendário aprovado pelo executivo açoriano, liderado pelo socialista Vasco Cordeiro, determinava que a 28 de janeiro de 2016 estivessem a funcionar o casino, entre outros investimentos.

"[Não há lugar a coimas porque] houve sucessivas prorrogações do prazo devidamente justificadas.”

Governo Regional dos Açores

Fonte da vice-presidência do Governo Regional explicou que não há lugar a coimas pelo incumprimento, uma vez que “houve sucessivas prorrogações do prazo devidamente justificadas”, sendo que, no caso da Terceira, a sala de máquinas de jogos (tipo slot machine) “já está em funcionamento”.

Numa informação escrita enviada à agência Lusa, o Turismo de Portugal referiu que o processo de instalação do primeiro casino nos Açores tem sido acompanhado pelo Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos e que “ainda não é conhecida uma data concreta para a abertura do casino”.

O casino de Ponta Delgada vai ficar instalado no edifício do único hotel de cinco estrelas em funcionamento na cidade, o Hotel Azor. O casino açoriano será o 12º a funcionar em Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casino de Ponta Delgada abre “dentro de poucas semanas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião