Crónica de uma ilha liberalizada. No princípio eram as aerovacas

Com a maior taxa de crescimento turístico do país, e passados quase dois anos da liberalização do espaço aéreo, os Açores estão na mira do turismo mundial. Esta é a história de como chegámos aqui.

“Aqui era o aerovacas”. Estamos a caminho da Ribeira Grande, vindos de Ponta Delgada, quando Vasco Rego interrompe a conversa. O rosto da ignorância continental a encarar um monte de verde que já foi pista de aterragem é o convite à explicação. “Há 50 anos, quem queria vir para São Miguel parava primeiro em Santa Maria, que já tinha aeroporto. Só depois é que vinha para aqui. Quando o avião começava a aproximar-se, os agricultores afastavam as vacas para o avião aterrar numa pista de terra batida”.

vaca açores

Vasco Rego não é do tempo em que os agricultores do campo de Santana tinham de afastar as vacas para os aviões dos Aliados aterrarem. Nem sequer do tempo em que o aeródromo foi promovido a aeroporto. Quando nasceu, já o aeroporto de Ponta Delgada, inaugurado em 1969, era o principal ponto de entrada de passageiros no arquipélago dos Açores. Mas, aos 38 anos, taxista há metade deles, lembra-se bem de quando o único turista da ilha era “o continental com grana”.

Quem por lá passar hoje, não reconhece a ilha de que fala o taxista micaelense. Com a maior taxa de crescimento turístico do país, seja em número de hóspedes, de dormidas ou de proveitos da hotelaria, e passados quase dois anos da liberalização do espaço aéreo e consequente entrada das companhias aéreas lowcost no arquipélago, os Açores estão hoje na mira do turismo mundial. Esta é a história, em três capítulos, de como chegámos a esse ponto.

Pagávamos 90 contos para ir ver o Benfica. Íamos na sexta, voltávamos no domingo. Agora, ficamos atentos à Ryanair e vamos ao continente por 10 ou 20 euros.

Mário Jorge Borges

Taxista

A insularidade, muito motivada pelo monopólio SATA/TAP — que durante décadas teve a exclusividade da operação dos aeroportos açorianos –, está bem presente na memória de todos.

“Pagávamos 90 contos para ir ver o Benfica. Íamos na sexta, voltávamos no domingo, eu ficava sempre na pensão Portuense. Agora, ficamos atentos aos preços da Ryanair, quando está barato compramos com antecedência e vamos ao Continente por 10 ou 20 euros”, conta Mário Jorge Borges, taxista na Ribeira Grande.

Já os contos tinham passado a euros há vários anos e os açorianos continuavam a queixar-se do mesmo. “Como podemos pagar 287 euros para sair da nossa ilha e visitar Portugal Continental, enquanto outras companhias fazem [viagens] para grandes cidades europeias por 10% desse mesmo valor?”, perguntava, em 2014, o grupo de pressão “Queremos a liberalização do espaço aéreo dos Açores”. Isto fora os “mais de 130 euros para visitarmos as nossas próprias ilhas”.

A vida tem requintes de ironia e, hoje, sai mais caro aos açorianos viajar entre ilhas do que do arquipélago para o Continente. “Gostávamos que as lowcost estivessem em todas as ilhas”, desabafa Vasco Rego. Já esteve mais longe. No final do ano passado, a Ryanair começou a voar da Terceira para Lisboa e para o Porto.

Próximo capítulo: São todos contra todos e, no fim, ganham todos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crónica de uma ilha liberalizada. No princípio eram as aerovacas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião