Web Summit fica. É “cada vez mais português”, diz João Vasconcelos

Governo assina acordo com a organização irlandesa às 10 horas desta quarta-feira. Web Summit deverá continuar em Lisboa até 2023 mas crescimento vai implicar investimento em infraestruturas.

Web Summit continua em Lisboa pelo menos até 2023.Web Summit

O acordo entre o Governo português e o Web Summit deve ser assinado na quarta-feira mas a confirmação surgiu esta terça. O Web Summit vai continuar por Lisboa pelo menos até 2023, prolongando a sua presença em Portugal por mais cinco anos garantidos e, outros cinco opcionais. A notícia, ainda que não tenha sido confirmada oficialmente, nem pelo Governo nem pela organização do evento, foi durante meses alvo de notícias, especulação e algum suspense. E, finalmente, confirmada ao final desta tarde pela câmara municipal de Lisboa, através de um convite a todo o ecossistema para “estarem presentes” num “evento histórico para o empreendedorismo da capital”.

O próprio Web Summit antecipava esta terça-feira de manhã que faltariam cerca de 24 horas para haver novidades sobre a localização do evento para os próximos anos.

Na corrida, além de Lisboa — cidade onde o evento fundado em Dublin em 2009 se realiza desde 2015 –, havia outras grandes cidades europeias como Madrid, Paris, Londres e Berlim. A short list, segundo avançou a organização irlandesa, estaria a colocar em competição apenas quatro localizações: Lisboa, Berlim, Valência e Madrid.

“A confirmar-se a permanência do Web Summit em Portugal, vejo com muito bons olhos. O Web Summit deixa de ser um evento internacional de passagem por Lisboa e é, cada vez mais português e associado a Portugal. A confirmarem-se os cinco anos, passa a ser um evento que permite preparar infraestruturas“, detalha João Vasconcelos, ex-secretário de Estado da Indústria e que tem acompanhado de perto a evolução do Web Summit, primeiro em Dublin e depois em Portugal.

O Web Summit deixa de ser um evento internacional de passagem por Lisboa e é, cada vez mais português e associado a Portugal.

João Vasconcelos

Ex-secretário de Estado da Indústria

De acordo com Vasconcelos, que integrou a equipa fundadora da Startup Lisboa, a primeira incubadora lisboeta criada em 2012, o Web Summit identifica-se perfeitamente com a imagem que Portugal tem neste setor, e também com conceitos como multiculturalidade e discussão do futuro”. Por isso, sublinha, havia uma enorme disputa entre capitais europeias para albergar o evento nos próximos anos.

“É o evento mais atrativo pela sua abrangência e pelo potencial de crescimento”. Mas, terá o Web Summit espaço para crescer em Lisboa? João Vasconcelos não tem dúvidas. “O Web Summit quer crescer e vai crescer muito”, garante. “Reúne pessoas de muitas áreas e deixou de ser só startups e empresas para lhes juntar outros protagonistas. Discute-se arte, política, tecnologia, inovação, futuro. Já não se trata apenas de startups: são políticos, artistas, é o maior evento do mundo para se falar de futuro.

Ricardo Marvão, cofundador da Beta-i, promotora do Lisbon Challenge e responsável por vários outros programas de aceleração de startups em Portugal, sublinha também a importância da continuidade como uma oportunidade de “build on it”. “Três anos, apesar de parecer muito, passa rápido. Mais cinco anos é uma forma de construir algo a médio prazo”, assegura, em conversa com o ECO. E lança um desafio à organização: “É importante, cada vez mais, integrar o ecossistema empreendedor português no evento”.

Para Lurdes Gramaxo, investidora da Busy Angels, a notícia é “ótima para o ecossistema português e para Portugal”. “É uma enorme oportunidade de falarem de nós e potencia o desenvolvimento do ecossistema empreendedor. Não é o principal fator de crescimento mas ajuda muito a dar visibilidade a Portugal”. Além disso, garante em conversa com o ECO, é a garantia de que todos os anos, uma importante rede de contactos vem a Portugal.

Quem ganha mais?

Com um impacto estimado de 300 milhões de euros em hotelaria e serviços nos últimos três anos — contra um investimento de 1,3 milhões de euros por ano por parte do Governo — o Web Summit passou a ser, tal como admitiu o primeiro-ministro António Costa em abril, uma montra do país no mundo.

Mas isso não faz com que o país seja o único “vencedor” nesta competição de convencer os irlandeses a ficar. Com quase todas as capitais europeias interessadas no evento, João Vasconcelos diz que o Web Summit também ganha em ficar na cidade. “Traz-lhe estabilidade. Permite ao Web Summit fazer outro género de investimentos na infraestrutura”, antecipa o ex-secretário de Estado da Indústria.

Já a investidora Lurdes Gramaxo confessa que o que mais a surpreendeu na notícia foi a “duração” do acordo. “Não estava à espera, muito menos que fosse por 10 anos”, diz ao ECO. “Com tantas concorrentes, a decisão revela uma aposta muito forte da organização em Portugal”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Web Summit fica. É “cada vez mais português”, diz João Vasconcelos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião