Fundador da JD.com cai na tabela dos mais ricos da China após acusação de violação

Considerado um dos homens mais ricos da China, o bilionário Liu Qiangdong viu uma redução na sua fortuna depois de ter sido acusado de violação nos Estados Unidos.

O fundador e CEO da retalhista JD.com, a maior acionista da Farfetch, caiu da tabela dos mais ricos da China, depois de ter sido detido nos Estados Unidos, acusado de violação, avança o Business Insider (conteúdo em inglês). Como consequência, as ações da JD.com caíram 25%, provocando uma perda de 34% na fortuna de Liu Qiangdong para 6,2 mil milhões de dólares.

A 31 de agosto, Liu Qiangdong foi detido em Minneapolis, enquanto estava a lecionar uma aula de administração de empresas na Universidade do Minnesota, acusado de violação. De acordo com as informações adiantadas na altura pelas autoridades norte-americanas, e citadas pelo Business Insider, o fundador da JD.com teve atitudes de cariz sexual não especificadas, não tendo sido adiantados mais detalhes.

Contudo, após 16h de ser detido, Liu foi libertado, sem estar acusado formalmente de qualquer crime, nem ter recebido qualquer indicação de fiança. A investigação, que durou cerca de três semanas nas mãos das autoridades, acabaram por ser transferidas para os promotores de justiça, não havendo ainda data marcada para saber se o bilionário é considerado, ou não, culpado.

Caso venha a ser declarado culpado, o fundador da retalhista enfrentará um crime de primeiro grau, uma vez que, nos Estados Unidos, a violação é considerada o crime mais grave na lei de Minnesota. Em causa estará uma pena de 30 anos de prisão.

As consequências…

Embora até à data não seja considerado culpado, este escândalo foi o suficiente para influenciar de forma negativa as ações da JD.com. Após a detenção do CEO, os títulos desvalorizaram 25% em bolsa. Mas, para o próprio responsável, também houve consequências.

O património de Liu Qiangdong sofreu uma queda de 34%, passando para os 6,2 mil milhões de dólares (5,4 mil milhões de euros), o que levou a uma queda na tabela dos mais ricos da China. De acordo com a lista publicada anualmente pela Forbes, o chinês passou do 16.º para o 30.º lugar. Ainda de acordo com a lista da Forbes dos mais ricos do mundo, Liu aparece na 140.ª posição.

A retalhista sempre negou as acusações de que Liu estava a ser acusado, afirmando que eram falsas acusações e que iria “tomar as medidas legais necessárias para combater estas denúncias e rumores falsos”. Jill Brisbois, uma das advogadas do bilionário, disse à imprensa chinesa estar confiante de que as acusações não irão para a frente. Após estas declarações, as ações da JD.com deram um salto e valorizaram 5%.

A JD.com é a segunda maior empresa chinesa de comércio eletrónico, atrás do Alibaba, e conta com a Google como acionista. No ano fiscal de 2017, obteve um lucro de 7,8 mil milhões de dólares (6,8 mil milhões de euros), de acordo com um comunicado emitido pela empresa, citado pelo Business Insider. Liu, com 45 anos, é casado com Zhang Zetian que, aos 24 anos, é a mais jovem bilionária da China.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundador da JD.com cai na tabela dos mais ricos da China após acusação de violação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião