Presidente dos CTT: “Numa loja, a pessoa trabalhava em média 35 minutos por dia”

  • ECO
  • 4 Novembro 2018

Francisco Lacerda adiantou que CTT já chegou a acordo de rescisão amigável com 360 trabalhadores. Diz que dividendos "vão ficar seguramente abaixo" dos lucros.

Os CTT já encerraram quase meia centena de estações de correio este ano, transferindo a atividade para postos geridos por terceiros, como juntas de freguesia ou particulares. Francisco Lacerda lembra que está a reestruturar a rede porque a afluência às suas lojas é cada vez menor. E conta o caso da loja que foi encerrada recentemente e onde o funcionário trabalhava apenas 35 minutos por dia.

“Uma das lojas que recentemente fechamos numa determinada localidade, e abrimos um posto muito perto, a pessoa em média trabalhava 35 minutos por dia. Porquê? Porque não há pessoas suficientes a requisitar os serviços dos CTT nessa localidade”, explicou Lacerda em entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF.

Lembrou ainda que este reajustamento da rede de lojas não tem impacto no movimento dos carteiros. “Os carteiros distribuem as cartas qualquer que seja a nossa presença com loja, posto ou outra. São dois mecanismos independentes”, disse.

Há um ano, Lacerda anunciou um plano de transformação que inclui a saída de 800 trabalhadores até 2021 e ainda uma reajustamento da rede de lojas.

Cerca de 360 funcionários já chegaram a acordo com a empresa para sair, adiantou o presidente dos CTT na mesma entrevista.

"Uma das lojas que recentemente fechamos numa determinada localidade, e abrimos um posto muito perto, a pessoa em média trabalhava 35 minutos por dia. Porquê? Porque não há pessoas suficientes a requisitar os serviços dos CTT nessa localidade.”

Francisco Lacerda

Presidente dos CTT

Nos primeiros nove meses do ano, a empresa viu os lucros caírem 50% para menos de dez milhões de euros. Lacerda considerou que se deve “separar o que é recorrente do que não é recorrente”.

“No caso dos resultados de todos os trimestres deste incorporam o conjunto de indemnizações que pagamos às pessoas com quem chegamos a acordo de saída e esses montantes, que nos 9 meses são pouco mais de 19 milhões de euros, não são recorrentes na medida em que não se repetem, as pessoas saem e deixamos de ter esse encargo salarial. Se retirar isso, o que se vê é que as tendências estão bastantes positivas e isso é visto quando se olha para a evolução do EBITDA recorrente, que é o indicador que melhor permite ver esse aspeto”, frisou.

Sobre o dividendo, Lacerda diz que a percentagem do lucro a distribuir pelos acionistas ainda não está decidida. “Mas será seguramente abaixo do resultado líquido que viermos a gerar desde exercício”, revelou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente dos CTT: “Numa loja, a pessoa trabalhava em média 35 minutos por dia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião